Dicas e Curiosidades do Mundo Animal

Por Luiz Octavio Pires Leal

Dicas e Curiosidades 2018-01-16T11:56:17+00:00
1602, 2018

Travessuras dos filhotes

16/02/2018|

Os filhotes de cão, como as crianças, são por natureza travessos.

Se eles estiverem muito quietos e bem comportados é sinal de que alguma coisa não vai bem. É preciso ficar de olho porque essas travessuras podem representar perigo para eles. É preciso deixar fora do seu alcance tudo o que atraia sua atenção, mas possa ser prejudicial, como, por exemplo: desinfetantes, com os quais eles poderão se intoxicar; objetos pequenos, para prevenir engasgos; objetos pontudos; coisas quentes, como ferro de passar; barbantes, que poderão engolir; brinquedos coloridos, que eventualmente são tóxicos; ossos de galinha; medicamentos; sabonetes, etc…

Na medida em que vão crescendo e o instinto vai se desenvolvendo, o perigo vai gradativamente diminuindo, mas pode não acabar totalmente nunca.

É muito importante, em caso de acidente, não tentar resolver o problema com improvisações e soluções caseiras. Leve o animal para o veterinário. Se suspeitar que ele bebeu ou simplesmente lambeu algum desinfetante ou inseticida, junto com ele leve a embalagem. Essa providência simples poderá salvar a vida do seu cão ou gato.

Se ele engoliu um barbante que está com a ponta de fora, não tente puxá-lo. Deixe o veterinário fazer isso. Se ele se queimar, apenas molhe o local com bastante água fria e não faça mais nada antes do veterinário examinar.

Se achar que ele deslocou um membro, não o segure pelas patas. Enrole o animal numa toalha e o leve para o veterinário.

1602, 2018

Mutilações desnecessárias e proibidas

16/02/2018|

Amputar a cauda de um cão é uma mutilação, que ainda por cima é desnecessária, visto que não tem nenhuma função, nenhum objetivo prático, nenhuma justificativa.

A vaidade humana – nós todos sabemos – não tem limite e muitas vezes é estendida aos animais. Enquanto estiver limitada a fitinhas, lacinhos, roupinhas e semelhantes, tudo bem, mas chegar ao nível da mutilação é exagero.

Quando a natureza, ainda que sob a forte interferência do homem, como é o caso das raças de cães, faz animais com cauda, sabe o que está fazendo e interferir apenas por discutíveis razões estéticas não é uma boa idéia.

O CFMV – Conselho Federal de Medicina Veterinária – proíbe os profissionais de realizar cirurgias de corte de orelha e das cordas vocais para evitar que latam, mas também as do corte de cauda.

A amputação das garras dos gatos, para que fiquem impossibilitados de causar arranhões nos donos, em outros animais e destruir tapetes e cortinas, também está proibida.

A Resolução do CFMV que trata do assunto diz o seguinte: “Ficam proibidas as cirurgias consideradas desnecessárias ou que possam impedir a capacidade de expressão do comportamento natural da espécie, sendo permitidas apenas as cirurgias que atendam às indicações clínicas”.

Todo mundo sabe que os cães abanam a cauda, por exemplo, quando estão satisfeitos, a escondem entre as pernas quando estão com medo, e assim por diante. Essa é uma “expressão do comportamento natural da espécie”.

1602, 2018

Lóris

16/02/2018|

É uma ave originária da Oceania e do Sudeste Asiático. É multicolorida, com uma variação muito grande de tons e desenhos.

Trata-se de uma boa opção como ave de estimação porque é muito brincalhona, esperta e ativa. Raramente consegue ficar quieta. Vive correndo de lá para cá, subindo nas grades do viveiro, pulando e rolando e no meio dessa confusão ainda assovia.

Quando o Lóris é criado em cativeiro, em contato com o dono, aprende a comer na mão e até mesmo a falar algumas palavras em tom agudo. Mas para isso ele precisa ser mantido isolado de outros pássaros e insistentemente treinado.

Ele não é muito exigente em relação à temperatura embora prefira climas mais quentes.

O Lóris tem muito valor no mercado pet da Europa e dos Estados Unidos.

No seu meio natural ele alimenta-se principalmente do néctar das flores e para isso tem a língua comprida. Gosta também de frutas silvestres.

Nos criatórios o Lóris come frutas, mas exclusivamente sob a forma de papas. Nos pet shops podem ser encontradas papas desidratadas, nas quais basta adicionar água.

A limpeza do viveiro é muito importante e até certo ponto complicada, porque essas aves expelem seus dejetos em esguichos que podem chegar à distância de 20 centímetros ou até mais, sujando todo o ambiente. Mas, quanto à higiene pessoal eles, como os gatos, cuidam pessoalmente.

A gaiola deve ser instalada num local que receba sol da manhã e o alimento trocado duas vezes por dia para evitar que comam papa estragada, principalmente nos dias de maior calor.

1602, 2018

O mau hálito do cão

16/02/2018|

É muito desagradável conviver com um cão que tenha mau hálito. Isso reduz a vontade de ficar próximo dele. Há casos que simplesmente são insuportáveis. Em casos extremos, ninguém agüenta. Mas não precisa ser assim. O mau hálito. Aquele bafo fétido pode ser muito reduzido.

O cheiro ruim pode ter origem não apenas na boca, mas em outras partes do sistema digestivo, bem como nos ouvidos, na pele, no pêlo, nos órgãos genitais e no ânus.

Uma causa comum de mau hálito são as placas bacterianas que se grudam nos dentes em conseqüência de uma alimentação com ração pastosa (em vez de ração seca) e falta de escovação.

Fragmentos de ração presos entre os dentes fermentam e produzem mau cheiro, assim como rações com alto teor de proteína. Estas, quando são digeridas, liberam gases com mau cheiro. A primeira situação tem solução na escovação dos dentes e a segunda seguindo um esquema correto de alimentação indicado pelo veterinário.

Cães de pequeno porte têm os dentes muito juntos, com muito pouco espaço entre eles o que facilita tanto a formação das placas bacterianas, como a fixação de restos de alimento, que, fermentando, produzem cheiro ruim.

Quando já há formação de tártaro, a simples escovação, por mais freqüente e bem feita que seja não resolve o problema. Será preciso levar o animal para o consultório do médico veterinário para que ele remova o tártaro por raspagem, com instrumento próprio para essa finalidade e também verifique se há alterações nas gengivas.

702, 2018

A audição do gato

07/02/2018|

A orelha do gato tem 32 músculos que atuam separadamente, permitindo a ele dirigir cada uma, individualmente, para onde está vindo o som.

Quando localizam um som, eles rapidamente movem as orelhas naquela direção. E se o som vier de duas direções diferentes cada uma se volta, independentemente, para cada uma delas.

Em relação aos sons graves, ou seja, os de baixa freqüência (20Hz) os gatos ouvem mais ou menos como nós, mas em relação aos agudos, que são os de alta freqüência (até 60 kHz) eles nos superam com grande margem. Uma pessoa jovem dificilmente consegue ouvir sons agudos com mais de 20 kHz e na medida em que envelhecemos a capacidade de ouvir sons agudos vai progressivamente diminuindo.

Em matéria de ouvir sons agudos os gatos superam os cães.

As orelhas dos gatos são cobertas, tanto externa como internamente, com pêlos. Quando eles estão amedrontados, as orelhas abaixam na direção de trás da cabeça, tapando os canais auditivos.

Os gatos têm muita facilidade em limpar, com as patas molhadas de saliva, a parte externa das orelhas, mas não tanta de higienizar a parte interna. Por isso, de tempos em tempos, é bom examinar, e sendo necessário, limpá-la com um cotonete umedecido com água filtrada.

702, 2018

Levando seu cão para o trabalho

07/02/2018|

É claro que se você for cirurgião ou trabalhar numa usina atômica, provavelmente nunca poderá contar com a companhia do seu melhor amigo durante as oito horas da jornada de trabalho, mas em muitos países da Comunidade Européia isso já é ou está se tornando rotina como é o caso de viajar de trem com o cão ao lado.

Dados da Associação Americana dos Fabricantes de Produtos para Animais dão conta de que nos Estados Unidos 20% das empresas permitem que os donos trabalhem com o seu animal ao lado e que 70 milhões de norte-americanos são de opinião de que isso diminui o estresse diário porque torna as pessoas mais felizes.

Esses números são o resultado de uma campanha realizada naquele país sobre o tema Take your dog to work.

Essa moda ainda não pegou no Brasil, mas já há indícios de que aos poucos irá pegar, principalmente no caso dos privilegiados que trabalham em locais – geralmente casas – com espaço para o animal se distrair.

Cães educados, simpáticos, bem tratados, acabam tornando-se “relações públicas” de algumas lojas ou escritórios, um verdadeiro diferencial que atrai clientes. Mas, como tudo na vida, há o outro lado, no caso representado pelas pessoas que têm medo de cachorro por mais mansos que sejam. Aí não adianta forçar porque medo é uma reação psicológica que pode ser irracional. Um bom exemplo é a barata doméstica que não morde, não tem veneno, não queima, mas da qual a maioria das pessoas, ou um grande número delas tem pavor.

702, 2018

Cisne

07/02/2018|

O cisne é “primo” do ganso e como ele é também uma ave aquática, Cientificamente é classificado do Gênero Cygnus que tem como característica principal o pescoço longo e as patas curtas.

Trata-se de uma ave que se destaca pelo porte majestoso e elegante e é uma boa opção para quem tem um lago em casa, no sítio ou na fazenda.

Os cisnes do Hemisfério Norte são brancos e os do Hemisfério Sul podem ter penas coloridas. São monogâmicos e as fêmeas botam de três a oito ovos por ano.

Existem sete espécies do Gênero Cygnus. A mais comum é a do cisne branco (Cygnus olor) e a mais famosa a do cisne negro (Cygnus atratus).

O cisne branco é originário da Eurásia. É uma ave não migratória que foi introduzida na América do Norte e em outras regiões para ornamentar jardins com lagos. Cygnus em grego significa cisne.

Sua altura média, quando adulto, pode chegar a 1,70m, com uma envergadura de asas de 2,40m. O macho chega a pesar 12kg e as fêmeas 8kg.

O cisne negro é a ave oficial do estado da Austrália Ocidental e quando adulta pode pesar até 9kg. Assim como o branco, é ave aquática.

O cisne é inspirador de várias obras humanas, como o famoso balé dramático “O Lago dos Cisnes”, do compositor russo Tchaikovsky, em quatro atos e que estreou no Teatro Bolshoi,da Rússia, em 1877, e continua um clássico representado no mundo todo.

O navio-veleiro de instrução dos guarda-marinhas da Escola Naval da Marinha do Brasil chama-se Cisne Branco (e o hino oficial da Marinha, também).

Ele foi construído em 1998 e entregue ao Brasil no início de 2000. Tem 76 metros de comprimento e a elegância de um… cisne branco.

702, 2018

Porquinho-da-Índia

07/02/2018|

Porquinho-da-Índia e cobaia são sinônimos. Trata-se do mesmo animal usado tanto como bichinho de estimação como em laboratórios de pesquisa científica. E a utilização em laboratórios é tão antiga e tão ampla que o termo “cobaia” acabou sendo usado para designar todos os animais de pesquisa.

A História registra que desde o ano 1200 aC os índios da América do Sul já usavam esses animais como alimento em sacrifícios religiosos, quando eram oferecidos aos deuses. E como esses roedores emitem um som curto – “cuí” – os indígenas usam essa onomatopéia para denominar o animal.

Sempre que estão com fome, assustados ou querendo chamar atenção, os porquinhos-da-Índia emitem esse som: “cuí-cuí-cuí”.

As cobaias foram um dos primeiros – ou o primeiro – animais que os navegadores espanhóis do século XVI levaram para a Europa.

Como são pequeninos e parecidas com o porco, e como os espanhóis pensavam que a América fosse a Índia, lhes deram o nome de porquinhos-da-Índia. E na metade do século XVII os europeus começaram a criar as cobaias como animais de estimação.

Esses animais são muito sociáveis, mas dentro de um grupo cada um deles comporta-se de maneira diferente. Eles têm personalidade: há os calmos, os bravos, os tímidos, os bagunceiros… mas em geral têm boa índole, são da paz.

Na natureza, os predadores das cobaias são as aves de rapina.

Quando ameaçadas elas correm para se esconder. No escuro, orientam-se com a ajuda dos pêlos dos bigodes.

Muito comilonas, quando estão com fome podem até morder o dedo de uma pessoa para chamar atenção.

As cobaias gostam das pessoas que as tratam bem. Elas relacionam-se muito facilmente com seus donos, mas isso não dispensa a sua necessidade de relacionarem-se com outras cobaias. Por isso o correto é manter mais de um animal na gaiola. Elas precisam exercitar-se motivo porque não devem ficar todo tempo presas.

As necessidades nutricionais desses animais são bem conhecidas e para alimentá-las de forma correta o mais prático é comprar ração específica, encontrada no comércio.

As cobaias dão-se bem com as crianças desde que elas compreendam que não se trata de um brinquedo que pode ser amassado, espremido, balançado… mas que trata-se de um ser vivo. E, como sempre, a promiscuidade deve ser evitada.

502, 2018

A velhice do seu cão

05/02/2018|

Uma das idéias que você precisará levar em conta como proprietário responsável ao comprar ou adotar seu cão é que ele irá crescer, envelhecer e morrer. Com que idade morrerá? Como no nosso caso, dependerá de diversos fatores, dentre os quais a herança genética e a forma como foi criado, têm importância especial. Apenas para dar uma idéia aproximada, pode-se dizer que em média um cão morre aos 12 ou 15 anos. Mas, há caso de cães que vivem mais.

O fato é que eles começam a envelhecer por volta dos oito ou 10 anos. Mas as estatísticas variam bastante.

Para que você proporcione ao seu amigo a boa vida que ele merece, será preciso ficar de olho para os sinais de velhice assim que eles começarem a surgir.

Não permitir que o animal se torne obeso é importante para uma velhice confortável. Excesso de peso força as articulações e a coluna vertebral.

Problemas cardíacos também são comuns. Eles causam cansaço excessivo, língua arroxeada e tosse seca.

A catarata é outro problema comum, mas que tem solução cirúrgica.

Excesso de sede, emagrecimento, perda de apetite, anemia e vômito são sinais de insuficiência renal crônica.

As cadelas podem apresentar tumores de mama.

A diabete é outro problema comum na velhice e a perda dos dentes também. A causa pode ser inflamação das gengivas. Será necessário tratar e dar ração pastosa.

Em resumo, você não deverá se conformar e deixar seu cão meio abandonado, porque ele está ficando cada vez mais velho, e sim prestar atenção nesses sinais que ele vai apresentando, gradativamente, com o passar do tempo, e consultar um médico veterinário, uma vez que diversas providências podem ser tomadas para tornar mais confortável e digno o envelhecimento do amigo que lhe faz companhia há tanto tempo.

102, 2018

Pônei

01/02/2018|

Este cavalo de porte pequeno, próprio para a introdução das crianças no mundo do hipismo, tem origem muito antiga, provavelmente numa região em que havia pouca comida.

Embora tenha no máximo 1,5m de altura (medido na cernelha, no dorso, logo abaixo do pescoço) o pônei tem as mesmas aptidões do cavalo de altura normal e a mesma resistência.

Basicamente, o pônei é um animal de montaria, inclusive para saltar obstáculos, mas também pode ser usado para puxar pequenas charretes para crianças.

Os pôneis são animais primitivos que têm relação direta com a origem dos cavalos.

No Brasil, a raça surgiu através de cruzamentos da raça Shetland, originária da ilha britânica de mesmo nome, com pequenos cavalos importados da Argentina.

Existem diversas raças de pônei espalhadas pelo mundo todo mas, as mais tradicionais estão na Europa.

Na América do Sul, os melhores pôneis são os argentinos, os uruguaios, os paraguaios e os brasileiros.

Quem controla a seleção de pôneis brasileiros é a ABCCP – Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Pônei, onde o leitor poderá encontrar todas as informações sobre esse simpático cavalinho. Ela foi fundada em 1970, data em que a criação e o controle desses animais tornaram-se mais rigorosos.

102, 2018

Pavão

01/02/2018|

Na Índia, que é a sua origem, o pavão já foi considerado animal sagrado. Quem matasse um, poderia ser condenado à morte.

É uma ave ornamental de grande prestígio, encontrada na maioria dos jardins zoológicos do mundo.

Emite um som característico que anuncia a sua presença.

O macho é muito mais bonito do que a fêmea, que ele procura cativar abrindo o seu leque, que é deslumbrante e que pode ter até dois metros de comprimento. Ela, como é regra nas fêmeas de todas as espécies de aves, é discreta e tem cores menos vivas como mecanismo de defesa para não denunciar sua presença no ninho.

Quem tem um sítio pode ter um pavão, mas apenas um macho porque eles são muito territorialistas e, se sentirem o seu território invadido, lutarão até a morte para protegê-lo.

Se o leitor quiser manter um casal no sítio ou fazenda deverá estar prevenido para o fato de o macho fazer um barulhão danado, 24 horas por dia, durante seu complicado ritual de acasalamento.

O pavão é da mesma família do faisão (Phasianidae). Ele se alimenta de insetos, de outros invertebrados de pequeno porte e também de folhas, de sementes e até de pétalas de flores. Em cativeiro, o alimento básico é a ração de galinha.

A fêmea põe de quatro a sete ovos por ano e os pintinhos nascem após 28 dias, durante os quais ela permanece chocando.

No Brasil e em outros países da América do Sul, existe uma espécie rara de pavão chamada Michalick, que tem plumagem loura e é muito valorizada tanto por sua beleza como pela raridade. É uma espécie em extinção.

102, 2018

Beleza X Saúde do cão

01/02/2018|

Há séculos o homem vem interferindo drasticamente na reprodução dos cães, tanto para criar raças capazes de executar determinados serviços, como caça, tração de trenós, localização de drogas, segurança, polícia, etc…, como simplesmente para a produção de animais belos ou diferentes.

Diferentemente do que acontece com os animais na natureza, onde a reprodução é feita sem nenhuma grande interferência externa, no caso dos cães, mais do que em outras espécies animais, o homem vem interferindo sistematicamente, o que resultou na criação de cerca de 400 raças (e variedades) diferentes, cada vez mais afastadas do animal original que é o lobo selvagem. E nesses cruzamentos dirigidos com o objetivo de desenvolver e “aperfeiçoar” determinadas raças, a estética tem sido privilegiada em comparação com a anatomia, a fisiologia e a conseqüente saúde dos animais.

Há raças em que as patas são pequenas demais para suportar o peso do corpo. Noutras, a cara é tão achatada que os olhos ficam desprotegidos e são facilmente machucados. Em algumas, para que o rabo fique enroscado, a coluna fica deformada. Há raças em que a distrofia coxo-femoral ocorre com muita freqüência. Há outras praticamente sem focinho, em que o cão tem dificuldade de respirar, meramente por uma questão anatômica.

Há informações de que no Reino Unido, três em cada sete milhões de cães têm pedigree, ou seja, são produtos de cruzamentos dirigidos, e portadores de problemas de saúde, o que faz com que os seus proprietários gastem fortunas, por ano, com visitas ao veterinário.

O Imperial College of London realizou uma pesquisa que exemplifica muito bem a dimensão do problema dos cruzamentos consangüíneos e que são os maiores responsáveis pelo aparecimento dos mais diferentes problemas anatômicos e fisiológicos que atormentam os cães e seus donos. Na raça Pug, por exemplo, os mais de 10 mil exemplares registrados no Reino Unido são originários de apenas 50 indivíduos distintos. Situações idênticas ou semelhantes ocorrem com várias outras raças.

A conclusão é que, quando o leitor se decidir por determinada raça não se deixe levar pela apenas pela aparência. Consulte um médico veterinário para saber se o animal tem ou se está livre de algum problema genético capaz de afetar a sua saúde.

3101, 2018

Esquilos

31/01/2018|

Os esquilos são roedores muito usados em filmes, principalmente nos desenhos animados e existem em quase todo o Planeta, até mesmo em alguns locais de clima frio.

No Brasil, dependendo da região, são conhecidos popularmente como caxinguelê, serelepe e diversos outros nomes. Cientificamente, pertencem à Família Sicuridae.

Previdentes, quando encontram uma quantidade maior de sementes do que podem comer, enterram-nas para buscá-las depois, mas às vezes, quando a fartura é grande, eles demoram tanto que as sementes acabam germinando.

Sua cauda é grande, muito bonita e mais comprida do que o corpo: 25cm de corpo e 30 ou mais centímetros de cauda.

Além de sementes, os esquilos também comem frutas e insetos e andam pelas árvores em grande velocidade, pulando vários metros, aparentando não terem o menor medo de cair.

Podem parir até 10 filhotes numa ninhada, em ninhos feitos de gravetos e folhas na parte mais alta das árvores.

Embora “elétricos” em seus movimentos, os esquilos são mansos.

Uma curiosidade: parece que gostam de música suave e diz a lenda que eles saem das árvores e vêm para o chão quando ouvem sons melodiosos, como, por exemplo, de flauta.

3001, 2018

Porque os lobos uivam

30/01/2018|

A cena de um lobo solitário em cima de uma montanha com o pescoço esticado e o focinho na direção da lua cheia, uivando, é um clássico do cinema. Mas não há nenhuma explicação científica para isso, ou seja, de que ele esteja uivando para a lua.

Esse animal pertence, como o cão doméstico, à Família dos Canídeos e como desde os tempos imemoriais o lobo foi considerado uma ameaça ao homem em decorrência da sua ferocidade, velocidade (até 70km/hora) e inteligência, está praticamente extinto.

O lobo é um animal gregário vivendo em grupos geralmente de 10 a 12 animais. São alcatéias, conduzidas por um macho dominante que uiva para mandar o grupo se reunir para caçar em grupo.

Mas… e a lua cheia?

As noites de lua cheia são, evidentemente, mais claras e melhores para caçar o que não quer dizer que eles só uivem quando a lua está cheia.

Mas não é exclusivamente para caçar que os lobos uivam. Assim como os cães, seus parentes, latem, os lobos uivam. E eles podem se reconhecer pelo ruído particular do uivo de cada um, que também revela o tamanho da alcatéia inimiga, que quer competir pela caça no mesmo território.

Em situações especiais, alguns cães também podem uivar e por mais estranho que possa parecer, até os gatos, que não têm nenhum parentesco com o lobo – podem emitir sons contínuos, demorados, que se assemelham ao uivo.

3001, 2018

O gato nos museus da Europa

30/01/2018|

Se você gosta de gato, em sua próxima viagem à Europa não deixe de visitar a sala com esculturas de animais do Museu do Vaticano onde estão excelentes trabalhos feitos em mármore e bronze.

No Museu de Madri há uma bela tela do pintor flamengo Paul de Vos que morreu em 1697: “Combate de gatos numa cozinha”.

Paul de Vos era um especialista da época do Renascimento em pintar animais e não apenas gatos. Ele foi um dos seguidores do grande pintor Rubens, também flamengo. Rubens, que criou o gênero “Cenas de caça” e que, além de genial era uma “máquina de pintar”, tendo deixado ao morrer mais de dois mil quadros.

Na Pinacoteca de Munique, na Alemanha, você poderá admirar dois trabalhos famosos: “Combate de gato com cão”, de autoria do parisiense François Basan, produtor de gravuras, que faleceu aos 74 anos, em 1797 (era filho de um comerciante de vinho), e “Concerto de gatos e macacos”, do pintor flamengo David Teniers, “O moço” (1610-1690).

Basan tem obras espalhadas por museus do mundo todo, incluindo Estados Unidos, Finlândia, Escócia e Rússia.

David Teniers, “O moço”, era filho do também pintor, David Teniers, “O velho” que tem obras em museus importantes da Espanha, Rússia, Holanda, Reino Unido, Alemanha e Áustria.

A Pinacoteca de Munique e o Museu do Vaticano são apenas exemplos de museus que mantêm em seus acervos pinturas e esculturas de gatos, que, por sua elegância, independência e porte majestoso, há muitos séculos são admirados e servem de inspiração para artistas das mais variadas regiões, tendências e culturas.

2601, 2018

A visão do gato

26/01/2018|

Segundo alguns pesquisadores, dentre todos os mamíferos o gato é o animal que tem o conjunto de sentidos mais apurado embora perca para o cão no que se refere ao olfato.

Os felinos têm um olho muito especial devido ao chamado tapetum lucidum que é uma membrana localizada no globo ocular e que reflete a luz, re-estimulando a retina.

Sua pupila não é redonda como a nossa e sim em forma de fenda que se fecha bastante para evitar a penetração do excesso de luz, que incomoda os gatos.

O campo visual dos gatos (200º) é maior do que o nosso (180º), e, além disso, pela posição em que os olhos estão localizados, eles têm uma ótima noção de profundidade.

Segundo indicações da pesquisa, os gatos, principalmente em distâncias curtas, conseguem enxergar cores, mas não tão bem como nós.

Os felinos têm uma membrana que além das pálpebras, ajuda a proteger os olhos. É uma terceira pálpebra chamada membrana nictitante ou membrana de nictação. Quando essa membrana permanece muito tempo fechada é indício de que ele está doente e precisa ser levado ao médico veterinário.

2601, 2018

Hipnotismo em animais

26/01/2018|

O hipnotismo é um estado mental muito parecido com o sono mas que é induzido artificialmente. Quando se trata de uma pessoa, ela mesmo dormindo escuta a voz do hipnotizador e obedece às suas sugestões simplesmente porque tem uma vontade irresistível de obedecer. Mas essa obediência tem limites que variam conforme a profundidade da hipnose. Esta, por sua vez, está relacionada tanto com a susceptibilidade do hipnotizado quanto da habilidade do hipnotizador.

As experiências do alemão Athanasius Kircher, ordenado padre jesuíta em 1628, são célebres. Ele era matemático, físico, alquimista, inventor e famoso por seu interesse e conhecimento das ciências naturais. Lecionou em diversos estabelecimentos europeus, principalmente na Universidade de Roma e pesquisou assuntos variados que foram da ética à vulcanologia – impressionado com a grande erupção do Vesúvio – passando pela paleontologia.

Em 1646, Kircher realizou uma experiência de hipnose que ficou célebre e serviu de base para muitas outras, posteriores.

Sua experiência foi com uma galinha cujas patas foram amarradas. Ela foi deitada de lado em cima de uma taboa.

A ave, logo no início, ficou agitada e depois de certo tempo parou, ficando calma. Nesse momento ele traçou um risco de giz na taboa, partindo do bico. Quando as patas foram desamarradas, a ave permaneceu imóvel apesar de nada impedir seus movimentos. Para acordá-la foi necessário fazer barulho ou bater nela suavemente.

Segundo explicação do padre Kircher, a galinha estava num estado de submissão “ao seu vencedor” e mesmo quando as patas foram desamarradas ela ficou quieta no mesmo lugar porque interpretou o traço de giz como um laço que a estava prendendo.

Essa experiência, que mais tarde foi repetida por diversos pesquisadores, tornou-se de vital importância para a hipnose humana.

A partir do século XIX muitos pesquisadores estudaram a hipnose animal, em diversas espécies. O tão conhecido “encantamento das serpentes”, que é um espetáculo clássico da Índia, é um fenômeno de hipnose.

2601, 2018

O sistema circulatório especial das girafas

26/01/2018|

As girafas têm um sistema circulatório muito diferente dos outros animais. Em função do seu enorme pescoço, que além de ser o mais comprido de todos os animais, é pouco flexível, seu sistema de vasos sanguíneos é o que apresenta maior pressão de todo o Reino Animal. É essa alta pressão e o conjunto de válvulas dos vasos sanguíneos do pescoço que permitem que o sangue chegue até o cérebro quando elas levantam a cabeça, e evita que desmaiem, por falta de sangue, quando se abaixam para comer. E elas permanecem durante muito tempo com o pescoço abaixado porque passam quase 20 horas do dia comendo.

As girafas engolem quantidades enormes de folhas. Alcançam árvores com até seis metros de altura e para pastar folhas rasteiras precisam afastar as pernas dianteiras.

O coração tem dois orifícios: um manda sangue para os pulmões e para os membros e outro bombeia para o cérebro um sangue mais fino.

Quando a girafa abaixa o pescoço para beber água, a pressão do sangue na cabeça aumenta e ela só não morre por derrame cerebral porque perto do cérebro existe uma rede de vasos sanguíneos muito finos (capilares) que se ramificam em inúmeros vasos menores dentro da cabeça do animal. Essa rede de vasos funciona equilibrando o fluxo de sangue quando a girafa está com a cabeça abaixada.

Além desses, há uma série de outros mecanismos importantes para a regulação da circulação sanguínea desses animais, que são muito especiais.

O couro das pernas, por exemplo, é mais rígido e comprime mais o sangue do que o resto do corpo, o que evita que o sangue se espalhe pelo tecido e músculos das patas, facilitando seu retorno para o coração. É, de certa forma, o que acontece com o macacão pressurizado dos pilotos de caça sem o qual eles desmaiariam, nas grandes altitudes por falta de sangue – e portanto de oxigênio – no cérebro.

2501, 2018

Guaxinim

25/01/2018|

O guaxinim é um mamífero preferencialmente carnívoro, cientificamente conhecido como Procyon lotor.

Em Portugal são chamados de mapache, nos Estados Unidos, racoon  no Brasil, mão-pelada.

Foram representados em vários filmes de desenho animado como o conhecido Pocahontas.

São inteligentes, engraçados e muito curiosos.

Vivem nas florestas mas sempre perto d’água. Passam o dia dormindo em buracos de árvores, em cavernas ou mesmo no chão.

Sua capacidade de adaptação é grande e são encontrados também nas cidades ou em suas periferias.

Vivem nas três Américas e também na Europa. Têm um faro muito apurado e demoram um pouco para decidir comer sua presa que precisa ter o cheiro adequado.

O guaxinim mede entre 40 e 70cm e tem cabeça grande e focinho comprido. Sua cauda é anelada, nas cores preta e marrom, e a barriga é cinza.

Eles comem rãs, peixes, insetos, pássaros, camarões, lesmas, ovos e também frutas e grãos. Embora preferencialmente carnívoros também comem alimentos de origem vegetal, motivo porque alguns biólogos preferem classificá-los como onívoros.

A pele do guaxinim é muito valorizada e por isso ele é muito caçado, principalmente nos Estados Unidos.

Os machos, que normalmente são calmos, viram feras na época do acasalamento. Os filhotes – três a cinco – nascem durante a primavera. A gestação dura nove semanas. Os filhotes vivem, durante cerca de um ano, junto da mãe e depois se separam.

2501, 2018

Gansos de guarda

25/01/2018|

Assim como há cão de guarda, que toma conta da propriedade, também há ganso de guarda. Mas, primeiro vamos desfazer uma confusão que é muito comum, ouvindo o que diz o especialista Yuri Vasconcellos.

A confusão é entre: cisne, ganso, pato e marreco.

O cisne é a maior ave do grupo havendo os que chegam a pesar 20 quilos com 1,70m de comprimento. Sua característica mais típica é o longo pescoço. É ele que “traz os bebês no bico”. São elegantes e por isso mesmo mantidos em lagos para marcar presença. Voam muito bem e a grandes distâncias, em grupos, formando Vs quando estão em migração.

O pato é muito menor (40 a 80cm) e muito mais comum. É facilmente confundido com o marreco que é uma espécie de “gêmeo menor” (30 a 50cm). O que distingue os dois é o bico. O pato tem uma protuberância nas narinas ao passo que as do marreco são lisas.

Os gansos foram domesticados há cerca de 4 mil anos, no antigo Egito. Andam em bando, e em cativeiro, e bem tratados podem viver até 50 anos. Além de serem criados como aves de estimação, também são usados como animais de guarda. Fazem um berreiro enorme quando algum estranho se aproxima. Além disso, atacam de uma forma muito particular. Prendem o bico no invasor, batem as asas para se levantar do chão e batem forte e repetidas vezes com os cotovelos. Os gansos medem entre 65cm e 1,15m.

 

1601, 2018

Cão que suplica comida enquanto você está à mesa

16/01/2018|

Não são raros os cães que insistem em pedir comida e até botar as patas ao lado do seu prato, em cima da mesa quando você está almoçando ou jantando com a família. Eles também correm ao redor da mesa fazendo cara de vítima, latem sem parar, suplicam como se estivessem varados de fome, prestes a morrer de inanição.

Se você tiver filhos pequenos, então, é que o problema será ainda mais complicado porque eles costumam agir “em defesa” do animal e dão força, querendo satisfazer todas as vontades do amigo. Mas é importante ter sempre em mente que a intimidade excessiva, a promiscuidade não é boa para ninguém. É preciso não esquecer nunca que existem as zoonoses, ou seja, as doenças de animais transmissíveis ao homem e vice-versa.

Para o bem de todos é importante sempre cuidar da higiene e da prevenção das doenças e evitar a promiscuidade. E comer na mesa, roubar alimentos da família que está almoçando ou jantando ou simplesmente receber comida nessas ocasiões não é bom: acostuma mal o animal que, sempre querendo mais, será estimulado a abusar e acabará subindo na mesa para roubar comida.

A regra geral é simples: nunca dê comida de gente para cachorro mas tão somente ração de boa qualidade e de acordo com a idade e situação de saúde do animal.

Sempre que o animal insistir em comer o seu alimento, ralhe com ele e coloque-o noutro local. O tom da sua voz e a sua insistência constante e determinada é o que funciona. Bater não adianta nada, mas, ao contrário, só faz a teimosia dele aumentar. Você precisará ser inflexível, determinado e mais insistente do que ele. E quanto mais cedo esse treinamento (essa educação) começar, melhor e mais rápido será o resultado. O cão descende do lobo e é um animal de matilha. Ele precisa reconhecer quem é o líder.

1601, 2018

Chocolate é veneno para cães e gatos

16/01/2018|

Por mais que você queira agradar o seu pet e por mais que ele seja atraído por um pedaço de chocolate, é bom saber que o chocolate, tanto para cães como para gatos funciona como veneno e, dependendo da quantidade, do porte e da sensibilidade de cada indivíduo, pode até matar.

A principal substância prejudicial contida no chocolate é a teobromina.

O chocolate amargo tem em média oito a dez vezes mais teobromina do que o comum, ao leite. Essa substância pode causar vômito, diarréia, taquicardia e até convulsão.

A teobromina é um alcalóide do grupo das metil-xantinas da qual também fazem parte a teofilina e a cafeína, que são encontradas no cacau (Theobroma cacao – daí o nome teobromina).

Na medicina, a teobromina é usada como vasodilatador (reduzindo a pressão arterial) e como é um estimulante do músculo cardíaco, aumenta a frequência os batimentos do coração. Mas, se são toleráveis pelas pessoas, mesmo em pequenas doses são prejudiciais para os animais, como os cães, que podem até morrer se comerem chocolate.

No caso dos gatos, além dos problemas causados pela teobromina e pela cafeína, há o do ácido lático que dificulta a absorção do cálcio.

Portanto, por mais que o seu animal insista, não permita que ele coma chocolate, que deve ser guardado fora do seu alcance.

1601, 2018

O ciúme do cão

16/01/2018|

Segundo ensina o mestre Houaiss, “Ciúme é o estado emocional que envolve um sentimento penoso provocado em relação a uma pessoa de quem se pretende o amor exclusivo; receio de que o ente amado dedique seu afeto a outrem; zelo”.

E é exatamente esse o ciúme que o seu cão pode sentir de você, em maior ou menor grau, dependendo da raça e do temperamento individual.

Principalmente os animais considerados “de um dono só” querem seu amor exclusivo. Exigem sua atenção total, detestam que você a divida com outros animais ou pessoas. E em função disso podem fazer malcriações as mais variadas que vão desde latir sem parar, incomodando a todos e criando problema com os vizinhos, até morder objetos e pessoas, urinar e defecar fora do lugar, além de outras “vinganças” para mostrar seu descontentamento, raiva e chamar atenção.

Os psicólogos, como a Dra. Ayala Pines, têm definições mais elaboradas para o ciúme humano: “É a reação complexa a uma ameaça perceptível a uma relação valiosa ou à sua qualidade”. Sua colega Mariagrazia Marini explica que “esse sentimento apresenta caráter instintivo e natural, sendo também marcado pelo medo, real ou irreal, de se perder o amor da pessoa amada”.

O ciúme do cão tem essas características do ciúme humano. Acrescente-se a isso o fato dele ser um animal de matilha, ou seja, de um grupo dominado por um exemplar mais forte, um líder. E no caso da relação entre o homem e o cão, ele espera que você seja o dominador, a pessoa no comando e que dedique a ele toda proteção e carinho. Mas, como você – e é o que acontece na maioria dos casos – passa muitas horas fora de casa, da sua companhia, se ao chegar dividir sua atenção com outros animais ou pessoas, ele vai ficar com ciúme, em níveis variados, que pode se apresentar sob a forma de um simples ressentimento até a fúria total. E isso não é bom pois dificulta muito a vida em família e fica complicado receber visitas.

A solução de prender o animal quando a visita chegar não é boa porque agrava o problema.

Se você, mesmo mudando de atitude, não conseguir controlar a situação, a solução é chamar um adestrador.

1601, 2018

O maior amigo de Mozart

16/01/2018|

Um dos maiores músicos de todos os tempos, Wolfgang Amadeus Mozart morreu pobre antes de completar 35 anos. Suas mais de 600 obras influenciaram toda a música do Ocidente. Até o incomparável Beethoven foi influenciado por ele nas suas primeiras obras.

Além de começar a compor aos cinco anos de idade, Mozart era exímio instrumentista e dominava os teclados – piano e órgão – e também o violino.

Nasceu em 1756 na cidade austríaca de Salzburgo.

É incrível o fato desse que a posteridade reconheceu como um gênio ter ficado pobre a ponto de tocar em troco de remédios para sua mãe. A explicação mais provável é a de que ele não era o que atualmente chamamos de “politicamente correto”, mas, ao contrário, um grande contestador.

E seu cão foi o único amigo que ficou ao seu lado até o dia da sua morte no frio dezembro de 1791. E foi ele quem possibilitou que o corpo do dono, enterrado numa vala comum, fosse encontrado no cemitério de Viena.

Sabedora da humilhação imposta ao marido, sua mulher Constanze Weber saiu de Paris para visitar o túmulo e entrou em desespero ao comprovar que ele havia sido enterrado como indigente.

Percorrendo diversos túmulos, descobriu um pequeno cadáver congelado sobre uma área de terra batida. Era o amado cão de Mozart sobre o corpo do dono.

1001, 2018

Gato gosta do dono ou da casa?

10/01/2018|

Todo mundo já ouviu essa história: cachorro gosta do dono; gato gosta da casa. Isso é verdade? Não é bem assim. É que o gato é um animal independente o que significa que “é ele quem tem o dono e não o dono que tem o gato”. Embora seja um animal carinhoso, o gato não aceita bem que a sua vida seja dirigida pelo dono. Quem for capaz de entender isso viverá maravilhosamente bem com os gatos. Eles são muito apegados às pessoas mas não são submissos, diferentemente do que acontece com os cães que são animais de matilha onde há sempre um macho dominante.

É muito comum o gato levar o dono até a porta e depois esperá-lo de volta todo alegre.

É claro que o gato se acostuma ao lugar onde mora e qualquer mudança – até mesmo apenas na decoração – provocará um estresse que será reduzido na medida em que junto com a mudança forem levados os objetos do animal, e que a adaptação ao novo lar seja gradativa. Ele não deverá ser solto em todo o espaço da nova casa e sim alojado num cômodo para que este o impregne com seu cheiro e vá se habituando aos poucos.

Embora o gato seja um animal limpíssimo, o local onde ele vive deverá ser constantemente higienizado, mas com cuidado porque ele tem mania de lamber tudo e corre o risco de se intoxicar. A limpeza dos utensílios poderá ser feita com água e sabão e o piso com um pano umedecido com desinfetante, como, por exemplo, água sanitária na proporção de uma parte para 20 partes de água, ou com produtos específicos.

1001, 2018

O hábito de arranhar do gato

10/01/2018|

Qual a razão que todo gato tem para arranhar? Por que ele faz isso? Qual a finalidade?

O ato de arranhar é saudável e próprio do gênero Felis, ou seja, de todos os felinos, inclusive dos domésticos.

Da mesma maneira que eles se lambem para limpar-se, eles também precisam aparar as unhas.

Há dois motivos básicos para os gatos arranharem. O primeiro é uma atitude de defesa e o segundo é para se livrarem das capas velhas das unhas, que nunca param de crescer. E quando crescem, vão formando escamas que são incômodas e por isso eles precisam se livar delas.

Para evitar que os gatos arranhem o sofá, as cadeiras, os tapetes e tudo mais que encntrarem pela frente, existem os chamados “arranha-gatos” que são vendidos nas pet shops. Eles podem ter diversos formatos mas o mais comum é um cilindro envolto em corda grossa, na posição vertical. Mas se o seu gato não gostar do “arranha-gato”, o negócio não funcionará. Existe, entretanto um truque para fazer com que ele goste. É uma erva chamada “Catnip”, ou “erva do gato” que atrai esses animais. Basta esfregar a erva no “arranha-gato” que ele será atraído e acabará se acostumando.

1001, 2018

O miado do gato

10/01/2018|

O gato geralmente mia pouco e baixo, o que é muito conveniente para evitar problemas com os vizinhos. Mas existem exceções ou situações diferentes. Os gatos de pelo curto, de origem oriental, como o Siamês, por exemplo, têm miado estridente e que se torna mais forte quando a fêma está no cio. O problema termina com a castração.

Os gatos são animais ótimos para apartamento, e muito adequados quando o espaço é pequeno e os vizinhos próximos. Além de não fazerem barulho nem terem cheiro (perceptível pelo ser humano), eles passam dois terços da vida dormindo. Sua atividade maior é durante a noite, que é quando eles gostam de correr, brincar e caçar, e, eventualmente, derrubar objetos, além de subir na televisão e deixar o rabo pendurado em cima da tela na hora da novela…

Eles também miam para chamar atenção e pedir carinho, e aí poderá começar um ciclo vicioso, mais miado, mais carinho, mais miado, mais carinho… Para quebrar este ciclo você precisará ter coragem para dar menos atenção, o que é fácil falar, mais ainda escrever e difícil de levar ao pé da letra. Quem resiste a um gato fofo miando para pedir carinho?

Estudiosos do assunto afirmam que identificaram mais de 100 miados com significados diferentes: miado longo significa dor; curto, fome; curto e alto, medo do inimigo, e assim por diante.

Em resumo, os gatos miam como forma de expressar o que estão sentindo ou desejando.

1001, 2018

Cão faz bem à saúde

10/01/2018|

Ao contrário do que afirmava o saudoso Vinícius de Moraes, o melhor amigo do homem não é o uísque que ele definia como “o cão engarrafado”. O melhor amigo do homem é mesmo o cão que se destaca entre os animais de estimação e companhia, embora existam os que preferem o gato por ser mais independente, mais silencioso e dar menos trabalho.

Segundo pesquisas realizadas pelos cientistas Berzins, em 2000, Patronek, em 1997 e Wong, em 1999, os animais de estimação, em especial cães e gatos, representam companhia para muitas pessoas e podem também contribuir para o desenvolvimento físico, social e emocional das crianças e com o bem estar dos seus proprietários, em particular de indivíduos idosos. Além de reconhecidos benefícios psíquicos, estudos clínicos revelam a normalização da freqüência cardíaca e dos níveis de pressão arterial nos indivíduos que possuem animais de estimação.

Esses mesmos pesquisadores chamam atenção para o problema de muitas vezes, de acordo com a rotina de vida dos seres humanos, cometer-se o erro de incorporar maus hábitos ao seu cotidiano, privando-os de sua vida instintivamente saudável e de seus hábitos naturais. Tais alterações acabam por se refletir negativamente na expectativa de vida dos animais.

O importante é que cães e gatos tratados de modo correto, sem a tentativa de humanizá-los, são benéficos para a saúde, notadamente das pessoas idosas.

801, 2018

A anatomia do gato

08/01/2018|

Uma das principais características dos gatos (e dos felinos em geral) é a sua coluna vertebral que é unida por músculos e não por ligamentos. E isso é da máxima importância para a flexibilidade desses animais.

A coluna vertebral do gato é composta por sete vértebras cervicais, 13 vértebras dorsais, sete lombares, o osso sacro e 18 a 26 vértebras cocidianas. Ele não tem clavícula óssea. No seu lugar existe uma pequena clavícula feita de cartilagem. Essa “máquina elástica” é que permite ao gato saltar tão alto, tão forte e com tanta precisão além de se esticar todo e passar por pequenos buracos e fendas estreitas.

Quando adulto o gato tem 30 dentes: 16 no maxilar superior e 14 no inferior. Com os quatro caninos (dois superiores e dois inferiores) ele mata a presa (passarinho, por exemplo). Os molares parecem facas de tão afiados. Servem para desfazer a presa em pedaços.

Grande parte da sensibilidade auditiva do gato é devida à anatomia do seu crânio que tem câmaras de ressonância avantajadas. Isso e as características dos seus ouvidos permitem que ele ouça sons muito agudos que nós não conseguimos ouvir.

Uma pessoa jovem consegue distinguir sons de até 20 mil ciclos, o que é extremamente agudo. Mas o gato consegue ouvir sons três vezes mais agudo, de até 60 mil ciclos.

Todo mundo conhece a história – verdadeira – de que um gato mesmo despencando de um décimo andar vai se contorcendo todo e acaba caindo em pé. Isso é um fato que é explicado pela constituição especial do seu ouvido interno, que é o centro do equilíbrio (dele e também do nosso),

Os olhos , que têm uma espécie de espelho posterior, permitem ao gato enxergar na escuridão quase total. E atrapalham as fotografias.

As patas dianteiras dos gatos têm cinco dedos e as traseiras quatro, mais compridas. Eles podem distender ou encolher as unhas e andar maciamente sem fazer nenhum barulho.

 

801, 2018

A saúde do cão

08/01/2018|

É muito mais seguro, prático, confortável e barato prevenir as doenças do cão do que tratá-las. Isso é feito pela soma de higiene, alimentação correta, vacinações e medicação preventiva. Esse conjunto de medidas deverá ser praticado pelo médico veterinário especializado na clínica de pequenos animais.

Todo filhote necessita de uma série de cuidados para que cresça sadio, principalmente durante os primeiros seis meses de vida. Isso é muito importante para prevenir problemas de curto, médio e longo prazos. Existem recursos suficientes para prevenir as doenças, mas eles precisam ser convenientemente empregados, e somente o veterinário especializado sabe como fazer isso da melhor forma.

A prevenção começa com a vermifugação (remoção dos vermes) do filhote a partir da terceira semana de vida, o que, portanto, deverá ser feito pelo criador depois de aplicado um programa pré-natal na cadela reprodutora. O macho reprodutor também precisa de um programa de prevenção das doenças, tecnicamente dirigido.

A partir dos 45 dias de idade, quando o filhote foi comprado e transportado para seu novo lar, deverá ser levado ao veterinário para um exame inicial, juntamente com as informações sobre o animal, escritas e fornecidas pelo vendedor. Essas informações devem conter o histórico do filhote desde o seu nascimento (que medicamentos tomou, o que está comendo, etc,), além da documentação que atesta a raça (no caso de ser de raça pura).

Analisando essas informações o veterinário estabelecerá uma programação preventiva das doenças, que inclui as vacinações e a vermifugação, além da alimentação e outros itens. Esse esquema não é padronizado e varia segundo o porte do cão, o local onde nasceu, a região onde será criado, a época do ano, etc.

Existem vacinas que previnem contra as sete doenças principais: (1) cinomse;(2) hepatite; (3) leptospirose; (4) parvovirose; (5) coronavirose; (6) parainfluenza e (7) raiva.

É muito importante destacar que a legislação proíbe a vacinação dos cães em balcões de lojas e de farmácias veterinárias, exatamente para proteger os animais da ação de leigos que estão muito mais interessados em vender o máximo possível do que na saúde do animal.

As vacinações só podem ser feitas no consultório do médico veterinário ou nas campanhas públicas supervisionadas por profissionais.

O risco do aparecimento de doenças fica imensamente reduzido quando o proprietário segue as instruções de um médico veterinário especialista.

Um engano muito freqüente é imaginar que logo depois que foi vacinado o cão fica protegido contra as doenças, mas não é isso que acontece. Toda vacina tem um período negativo que é o tempo que o organismo do animal necessita para reagir e produzir a defesa (anticorpos) contra a(s) doença(s). Esse período é variável mas, em geral, não passa de 10 dias. Nesse período o contato com outros cães deve ser evitado.

 

801, 2018

Pets: riscos da intimidade excessiva

08/01/2018|

Todo médico veterinário ou médico concordará que ter um animal de estimação devidamente educado e corretamente tratado só pode fazer bem, mas desde que a intimidade excessiva seja evitada. E isso porque existem doenças – as zoomoses – transmissíveis de animais para pessoas e vice-versa.

Essa transmissão é perfeitamente evitável quando as medidas profiláticas, que incluem higiene, boa alimentação, vacinações e ausência de intimidade excessiva são postas em prática.

E o que pode ser considerada uma intimidade excessiva entre o dono e o seu animal? É, por exemplo, beijar na boca, partilhar a comida, ter contato com as secreções, inclusive das feridas (nasais e oculares).

Até mesmo os pássaros, como os pombos, tão comuns nas grandes cidades, podem transmitir doenças, notadamente através das fezes que uma vez secas viram poeira, são espalhadas pelo vento e podem ser inspiradas pelas pessoas.

As aves psitacídeas, como os papagaios e as araras, por exemplo, podem transmitir uma pneumonia grave para o homem, chamada psitacose, também conhecida como ornitose.

Cães que têm contato direto e freqüente com pessoas portadoras de tuberculose, coabitando por períodos longos e consumindo repetidas vezes produtos contaminados, podem contrair o Bacilo de Koch, e uma vez contaminados passam a funcionar como fontes de disseminação da doença para pessoas que não estejam vacinadas. Essa transmissão, entretanto, é rara, mas o risco existe.

Isso quer dizer que as pessoas devem ter um contato distante e frio com seus animais de estimação? Não. Não é isso. Isso quer dizer que a promiscuidade deve ser evitada e que as medidas de higiene e de profilaxia, tanto as relativas ao animal quanto as da família que convive com ele, levadas a sério.

801, 2018

O pai de todos os cães

08/01/2018|

“No quinto dia da criação Deus criou os animais” e entre eles o cão que deu origem a todas as raças, o pai de todos os cães.

Como esclarece o médico veterinário Ciro Corrêa de Castro, o cão original não era igual ao cão atual. As pesquisas arqueológicas mostram que eles eram diferentes.

O nome científico do cão primitivo é Cynodictis (daí o nome “cinófilo” dado aos que amam os cães), que viveu há 60 milhões de anos na Ásia e na Europa.

Escavações realizadas por arqueólogos em Quercy, na França, e em White River, nos Estados Unidos, indicam que o cão existe desde que existe o homem ou mesmo antes dele.

Do Cynodictis várias outras espécies foram surgindo, tanto através de mutações genéticas como por variações na aparência ou por adaptações ao meio ambiente.

Os arqueólogos encontraram em escavações feitas em sítios arqueológicos, outros ancestrais dos cães atuais, como o Canis falconeri, que era um grande lobo, o Canis amensis, também semelhante ao lobo e finalmente o Canis lúpus.

Muitas outras espécies foram encontradas em achados arqueológicos de diversas regiões, principalmente relacionadas com o último período glacial ocorrido há 40 mil anos, mas a comunidade científica concorda que o cão atual descende do primitivo lobo – o Cynodictis – surgido na face da Terra.