Lobo-guará

Por e

O andar solitário pela imensidão do Cerrado é uma característica marcante do lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), considerado um animal símbolo deste bioma. É integrante de uma ampla biodiversidade que vive em nosso país e possui grande importância ecológica por ser considerado um predador de topo de cadeia alimentar, controlando populações de vertebrados e invertebrados. Além disso, o lobo-guará também exerce a importante função de dispersor de sementes, participando desta maneira, da preservação das regiões em que habita.

O lobo-guará possui populações que se distribuem por seis países: Brasil, Argentina, Paraguai, Bolívia, Peru e Uruguai. De acordo com dados de levantamentos feitos por pesquisadores da espécie, cerca de 90% dos indivíduos são encontrados em terras brasileiras, sendo assim nosso país é considerado um importante local para realização de ações que visem à preservação da espécie.

Apesar de apresentar uma ampla distribuição geográfica, dados da última avaliação nacional classificam a espécie como criticamente ameaçada no Estado do Rio Grande do Sul e como vulnerável (VU) nos Estados do Paraná, Minas Gerais e São Paulo. De acordo com a classificação da IUCN (International Union for Conservation of Nature and Natural Resources) a espécie ocupa a categoria de quase ameaçada.

Distribuição

A distribuição do lobo-guará no Brasil tem sofrido alterações nos últimos anos, sendo estas principalmente relacionadas à intensa degradação ambiental em algumas das regiões onde a espécie é encontrada. Pesquisas apontam que atualmente, a distribuição da espécie no Brasil se estende do sul do Estado do Rio Grande do Sul até o sul do Pará e Maranhão, contemplando também os Estados da Região Centro-Oeste, Sudeste e Nordeste. Acredita-se que esteja ocorrendo uma ampliação na sua distribuição em áreas cujas características originais tenham sido alteradas por consequência da atividade humana. Existem relatos da ocorrência do animal em locais que foram convertidos em áreas para pastagem e agricultura, como um provável resultado da modificação da paisagem local.

Características

Seu comprimento corporal varia de 95 a 115 centímetros, pesando entre 20 e 30 Kg, sendo considerado o maior dentre os canídeos sul-americanos. As longas pernas e orelhas grandes são também atributos típicos do animal e sua coloração pardo-avermelhada gerou o nome popular pelo qual é conhecido, uma vez que o termo guará na língua indígena Tupi signi ca vermelho. Possui ainda outras características como pêlos longos na região lombar, focinho, pêlos da nuca e dorso de coloração negra e porção terminal da cauda branca.

Habitat

O habitat preferencial do lobo-guará são áreas abertas com vegetação arbórea escassa, e no Brasil, ocupa principalmente áreas do Cerrado, mas também pode ser encontrado em outros biomas como Pantanal, Campos Sulinos, Caatinga e Mata Atlântica.

Hábitos

Apesar de ser uma espécie de hábitos solitários, durante o período de reprodução, os indivíduos formam casais. O período reprodutivo ocorre entre os meses de março a junho, com o nascimento dos  filhotes geralmente ocorrendo entre maio e setembro. Após um período gestacional de 65 dias são gerados de um a cinco  filhotes e o macho auxilia a fêmea no cuidado destes.

São animais territorialistas, que se utilizam da estratégia de demarcação de território através da deposição de fezes e urina. Seu período de atividade é crepuscular e noturno, no entanto, observações de pesquisadores revelam que este período pode variar de acordo com a temperatura e estação do ano.

Dieta

É classificado como onívoro quanto ao hábito alimentar que possui, isto é, se alimenta de diversos tipos de alimentos de acordo com a disponibilidade dos recursos. Sua dieta inclui variados frutos e ainda pequenos e médios vertebrados como roedores, tatus, pacas, gambás, aves e répteis. Um fruto típico da região semiárida, a fruta-do-lobo ou lobeira (Solanum lycocarpum), recebeu esse nome por ser muito apreciada pelo animal, e tal apreciação faz com que suas sementes sejam frequentemente visualizadas em suas fezes, demonstrando que atua como importante agente de disseminação da planta. A estratégia de caça utilizada pela espécie inclui a perseguição da presa, também se utilizando de saltos para capturar aves.

Ameaças

As principais ameaças que afetam a sua sobrevivência são a perda de habitat, os atropelamentos, os conflitos com o homem, e o risco de transmissão de patógenos a partir do contato deste animal com animais domésticos, principalmente cães.

A alteração de seu habitat natural, que ocorre devido à expansão da área agrícola e urbana, vem sendo muito prejudicial à espécie, uma vez que reduz a oferta de água, alimentos e abrigo para o lobo-guará. Por sua vez, os atropelamentos em estradas podem levam à redução de populações, principalmente aquelas que são pequenas e isoladas.

Saúde pública

Atualmente, uma das principais preocupações em nível de saúde pública, é o contato mais íntimo entre o lobo-guará, a população humana e os animais domésticos. Este fato representa um enorme agravante na preservação da espécie, já que este contato pode potencializar a transmissão de patógenos que são potenciais causadores de doenças parasitárias e infecciosas, tais como a cinomose, a leishmaniose e a parvovirose. Existe ainda o aumento no risco de intoxicação por defensivos agrícolas.

A proximidade do lobo-guará de áreas de pastagem e agrícolas, levam muitas vezes à ocorrência de con itos com as populações humanas, que ocorrem muitas vezes pelo fato do animal se alimentar de animais de criação, como por exemplo galinhas.

A falta de políticas públicas voltadas para a conservação da espécie e de seu bioma natural, assim como a ausência de  scalização contra as caças predatórias, contribuem para a extinção do animal. Outras ameaças à espécie também são relevantes como a falta de centros de triagem pelo país, os chamados CETAS, onde os animais teriam totais condições de se reabilitarem e serem novamente introduzidos na natureza. As perdas pela caça, comércio ilegal e a tentativa de domesticação de um animal selvagem, também colaboram para a extinção da espécie.

Proteção

Muitos pesquisadores e organizações estão trabalhando para proteger esta espécie. Dentre as ações que estão sendo realizadas, podemos destacar a criação do Plano de Ação Nacional para a conservação do lobo-guará. O Plano de Ação é um documento elaborado por especialistas e é composto por diversos atores tais como a sociedade civil organizada, universidades, órgãos do governo como o IBAMA e parques nacionais. Resumidamente, o Plano de Ação envolve o desenvolvimento de metas que visam à preservação e a manutenção do lobo-guará em seu habitat natural.

Essas metas envolvem a promoção de atividades de pesquisa, agências de fomento e órgãos de  nanciamento que potencializam ações de conservação da espécie, reunindo esforços e recursos para essa  nalidade. Também prioriza a avaliação do impacto que a ação humana pode causar sobre as populações deste animal, ampliando os estudos sobre a sanidade e a relação ecológica da espécie com seu ecossistema característico.

O lobo-guará ainda existe e luta para sobreviver, sendo assim, é essencial a elaboração de projetos que estejam voltados para a preservação da área habitada por estes animais. Proteger o lobo-guará é uma importante estratégia, não só para garantir a conservação da espécie, mas também por beneficiar outras espécies que habitem a mesma área.

2018-03-25T04:16:22+00:00