Taxonomia e caracterização geral

A raposa-do-campo, Lycalopex vetulus (Lund, 1842), pertence à Ordem Mammalia e é uma das seis espécies de canídeos (Família Canidae) que habitam o Brasil. É também conhecida como raposinha-do-campo, jaguamitinga ou jaguapitanga.

A raposa-do-campo é um dos menores canídeos da América do Sul, com o corpo variando de 58,5 cm a 64 cm de comprimento e 28 a 32 cm de cauda, podendo chegar a 4 kg. Sua cabeça possui pelagem vermelho-amarronzada e seu dorso cinza-amarronzada, com uma faixa escura se estendendo da nuca até a base da cauda, cuja pelagem é densa. Seus membros são esbranquiçados e a faixa escura é mais evidente em machos adultos. Suas características morfológicas e dentárias indicam adaptação para predar pequenos animais e insetos (caninos não tão desenvolvidos e molares relativamente mais largos).

Distribuição geográfica e habitats preferenciais

A raposa-do-campo é uma espécie endêmica do Brasil e possui ampla distribuição nas regiões centro-oeste e nordeste do país, sendo encontrada nos estados do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Maranhão, oeste do Piauí, Tocantins, Goiás, sul e oeste da Bahia, Minas Gerais, São Paulo e Paraná.

Esta raposinha vive em áreas de campos naturais nos biomas Cerrado, Pantanal e partes da Caatinga.

Além do que resta das áreas naturais dos biomas que habita, tais como o Cerrado, a Caatinga, o Complexo Florestal Atlântico (Mata Atlântica), a raposa-do-campo pode ser encontrada em áreas de pastagens e agrícolas, ricas em insetos, além de áreas de silvicultura.

Dieta

Sua dieta é insetívora-onívora, sendo composta principalmente por térmitas (cupins), gafanhotos, pequenos mamíferos e roedores, répteis, aves e frutos. Ela possui grande potencial dispersor de sementes, devido ao alto consumo de frutos diversos e elevada presença de sementes intactas em suas fezes.

Hábitos

Seus hábitos são crepusculares e noturnos, sendo observadas solitariamente, em pares ou pequenos bandos com fêmea e filhotes. Devido ao desconhecimento de muitos, pode ser confundida com outros canídeos silvestres, como o cachorro-do-mato (Cerdocyon thous) e com o graxaim-do-campo (Lycalopex gymnocercus).

A raposa-do-campo tem hábitos crepusculares e noturnos, portanto, raramente observada à luz do sol. Foto: Sávio Freire Bruno. Parque Nacional da Serra da Canastra, MG, agosto de 2016.

Reprodução

Esses canídeos são monogâmicos e as fêmeas podem gerar de quatro a cinco filhotes por ano, durante os meses de julho e agosto, tendo uma gestação em torno de 50 dias. É comum utilizarem tocas de tatus abandonadas para darem à luz seus filhotes. Estes, são amamentados até os 4 meses de vida. Após nove ou dez meses, os machos e fêmeas jovens se dispersam e estabelecem áreas de vida próximas às que passaram nos seus primeiros meses.

Conservação/Ameaças

Devido à ameaça ambiental na qual o domínio cerrado se encontra, as ações antrópicas representam a maior fonte de mortalidade da espécie.

A perda de habitat representa uma grande ameaça à espécie. O atropelamento de fauna também afeta expressivamente as populações de raposas-do-campo no Brasil. Somam-se a essas ameaças a predação por cães domésticos e certas enfermidades que acometem os canídeos em geral.

No Brasil, embora este canídeo ainda não esteja classificado como ameaçado de extinção pelo órgão competente no âmbito federal, a espécie está classificada como “em perigo” para o estado de São Paulo, “vulnerável” para Minas Gerais e Paraná, e “quase ameaçada” na Lista Vermelha da União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN).

A conservação dos biomas no Brasil é imprescindível para a sobrevivência da raposa-do-campo e para a manutenção da biodiversidade deste país.

Obras consultadas:

CABRERA, A. & YEPES, J. 1960. Mamíferos Sud Americanos. 2 ed. Ediar Editores. p. 1-187.
CÂMARA, T.; MURTA, R. 2003. Mamíferos da Serra do Cipó, 127p.
DEANE, L. M.; M. P. DEANE. 1954. Encontro de leishmanias nas vísceras e na pele de uma raposa, em zona endêmica de calazar, nos arredores de Sobral, Ceará. O Hospital 45:419–421.
DALPONTE, J. C. 1997. Diet of the hoary fox, Lycalopex vetulus, in Mato Grosso, central Brazil. Mammalia 61:537–546.
DALPONTE, J. C. 2003. História natural, comportamento e conservação da raposa-do-campo, Pseudalopex vetulus (Canidae). Tese (Doutorado em Biologia Animal). Universidade de Brasília. 179 p.
DALPONTE, J. C., and O. COURTENAY. 2004. Hoary fox Pseudalopex vetulus (Lund, 1842). Pages 72–76 in C. SilleroZubiri, M. Hoffmann, and D. W. Macdonald, eds. Canids: foxes, wolves, jackals and dogs. Status survey and conservation action plan. International Union for Conservation of Nature and Natural Resources/Species Survival Commission Canid Specialist Group. Gland, Switzerland.
DALPONTE, J. C.; LIMA, E. S. 1999. Disponibilidade de frutos e dieta de Lycalopex vetulus (Carnivora – Canidae) em um cerrado de Mato Grosso, Brasil. Revista Brasileira de Botânica, 22(2): 325-332
EISENBERG, J. F.; REDFORD, K. H. 1999. Mammals of the neotropics, the central neotropics: Ecuador, Peru, Bolivia, Brasil. Chicago: University of Chicago Press, 609 p. v. 3.
FONSECA, G. A. B.; HERMANN, G.; LEITE, Y. L. R.; MITTERMEIER, R. A.; RYLANDS, A. B.; PATTON, J. L. 1996. Lista anotada dos mamíferos do Brasil. Occasional Papers in Conservation Biology. v. 4, Chicago, p. 1-38.
JÁCOMO, A. T. A.; Silveira, L. & Diniz-Filho, J. A. F. 2004. Niche separation between the maned wolf (Chrysocyon brachyurus), the crab-eating fox (Dusicyon thous) and the hoary fox (Dusicyon vetulus) in central Brazil. Journal of Zoology, 262: 99-106.
LEMOS, F. G.; K. G. Facure. 2011. Seasonal variation in foraging group size of crab-eating foxes and hoary foxes in the Cerrado biome, Central Brazil. Mastozoología Neotropical 18(2): 239-245.
LEMOS, F. G.; AZEVEDO, F. C. 2009. Lycalopex vetulus (Lund, 1842). p. 61. In: Bressan, P. M.; Kierulff, M. C. M.; Sugieda, A. M. (orgs.). Fauna Ameaçada de Extinção no estado de São Paulo – Vertebrados. São Paulo: Fundação Parque Zoológico de São Paulo/Secretaria do Meio Ambiente. 645 p.
LEMOS, F. G.; F. C. de AZEVEDO; B. M. Beisiegel, R. P. S. Jorge, R. C. de Paula, F. H. G. Rodrigues; L. A. Rodrigues. 2013. Avaliação do risco de extinção da raposa-do-campo, Lycalopex vetulus (Lund, 1842). Biodiversidade Brasileira 3(1): 160-171.
LEMOS, F. G., AZEVEDO, F. C., PAULA, R. C. & DALPONTE, J. C. 2020. Lycalopex vetulus. The IUCN Red List of Threatened Species 2020: e.T6926A87695615. https://dx.doi.org/10.2305/IUCN.UK.2020-2.RLTS.T6926A87695615.en. Accessed on 05 January 2022.
MACHADO, A. B. M., G. A. B. Fonseca, R. B. Machado, L. M. S. Aguiar e L. V. Lins (ed.). 1998. Livro Vermelho das Espécies Ameaçadas de Extinção da Fauna de Minas Gerais. Belo Horizonte: Fundação Biodiversitas. 608 p.
MARGARIDO, T. C. C.; F. G. BRAGA. 2004. Mamíferos, p. 27-142. In: S. B. MIKICH; R. S. BÉRNILS (eds.). Livro vermelho da fauna ameaçada no Estado do Paraná. Curitiba, Instituto Ambiental do Paraná, XVI, 763 p.
MYERS, N.; Mittermeier, C. G.; Fonseca, G. A. B.; Kent, J. 2000. Biodiversity hotspots for conservation priorities. Nature, 403: 853-858.
NOWAK, R. M. 1999. Walker’s Mammals of the World (Volume 1). 6th Edition, Johns Hopkins University Press, Baltimore, 1166-1170.
VIEIRA C. 1946. Carnívoros do Estado de São Paulo. Arquivos de Zoologia 5: 135-176.
RODRIGUES, H. 2005. Técnicas anatômicas. 3. ed. Vitória: Edson Maltez Heringer.

Sávio Freire Bruno é Professor Titular do Departamento de Patologia e Clínica Veterinária, Faculdade de Veterinária, Universidade Federal Fluminense; Professor Colaborador do Curso de Ciências Biológicas e do Curso de Ciência Ambiental (UFF).
Brenna Candido Teles Pinto é Acadêmica do Curso de Medicina Veterinária, Universidade Federal Fluminense.
Revisão de texto: Clarice Villac.