Exportações de carne suína do Brasil caem em março, mas aumentam no primeiro trimestre

Por

As exportações de carne suína do Brasil totalizaram 54.800 toneladas em março, com queda de 5,6% em relação à igual período de 2018. A informação é da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Segundo a entidade, a receita com as exportações, que englobam tanto as carnes in natura quanto as processadas, somou US$ 106.6 milhões no mês – 7,8% a menos do que em março do ano passado, quando a exportação de 58.100 toneladas gerou uma receita de US$ 115.7 milhões.

A associação informou ainda que a China foi a maior importadora no período, com 13.023 toneladas, ou 24% do total, levemente acima de Hong Kong, que importou 12.852 toneladas.

Ambos os países asiáticos enfrentam as consequências de um surto de peste suína africana desde agosto, quando o primeiro caso da doença, fatal para porcos, foi registrado na China, que possui o maior rebanho de suínos do mundo.

Segundo a ABPA, os resultados trimestrais são positivos para o setor, que exportou 157.500 toneladas de janeiro a março, um aumento de 1,46% em relação ao primeiro trimestre de 2018.

“Apesar da queda no número mensal, o saldo das vendas acumuladas em 2019 segue positivo, com elevações sequenciais em janeiro, fevereiro e março”, comentou em nota Francisco Turra, presidente da ABPA.

“(As elevações) devem ganhar impulso, também, com o bom fluxo das exportações para a China, Vietnã, Coreia do Sul, Filipinas, Japão e a Rússia”, completou.

 

Reuters

2019-04-08T17:50:49+00:00 08/04/2019|Categories: ABB News, Colunas|Tags: , |