O índice global de preços de carnes, medido pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) subiu 0,5% em maio, em relação a abril, para um novo recorde de 122 pontos. A informação foi divulgada pela FAO em comunicado no dia 3 de junho.

O aumento foi impulsionado principalmente pela forte alta nos preços globais da carne de frango, que mais que compensaram as quedas nos preços das carnes suína e ovina.

“Em maio, os preços de carne de frango subiram, refletindo as contínuas disrupções na cadeia de fornecimento na Ucrânia e recentes casos de Influenza Aviária em meio a um aumento na demanda na Europa e no Oriente Médio”, destacou a FAO.

Os preços de carne bovina ficaram estáveis, já que o aumento na oferta do Brasil e da Oceania colaborou para atender à alta demanda.

Já os preços de carne suína caíram devido ao aumento da oferta global, especialmente na Europa Ocidental, em meio à fraca demanda interna e às expectativas em relação ao esquema de ajuda da Comissão Europeia ao armazenamento privado de carne suína.

Os preços internacionais da carne ovina também caíram, refletindo o impacto dos movimentos cambiais.

Os preços das carnes são considerados para calcular o índice global de preços de alimentos da FAO, que também inclui os valores para açúcar, óleos vegetais, cereais e laticínios. O índice global de preços de alimentos da FAO caiu 0,6% em maio, em comparação a abril, a 157,4 pontos.

 

 

Fonte: CarneTec