Ciência e Tecnologia

Por Adeildo Lopes Cavalcante

Ciência e Tecnologia 2017-09-21T08:51:09+00:00
2109, 2017

Purunã, raça bovina desenvolvida no Paraná, tem reconhecimento oficial do governo federal

A raça é resultado de mais de 30 anos de estudos do Instituto Agronômico do Paraná (IAPAR), primeiro órgão estadual de pesquisa agropecuária a desenvolver uma raça bovina. A Purunã é fruto de cruzamentos entre animais das raças Charolês, Caracu, Angus, Canchim e Aberdeen Angus e seu reconhecimento foi formalizado por portaria do Ministério da Agricultura, na qual este órgão credenciou o IAPAR a emitir o Certificado Especial de Identificação e Produção da nova raça. O documento assegura a procedência e desempenho dos animais e garante que os touros, matrizes e sêmen comercializados têm desempenho superior e estão aptos a promover o melhoramento genético e gerar ganhos reais de produtividade.

Do sangue das raças, a Purunã herdou características importantes, tais como: temperamento dócil, rusticidade, tolerância ao calor, resistência aos carrapatos e alta velocidade de ganho de peso.

A nova raça, cujo nome vem da serra que demarca o início dos Campos Gerais do Paraná, foi desenvolvida para ser criada nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Goiás e no Distrito Federal.

Foto: Monica Costa

2109, 2017

Zona da Mata de Minas Gerais ganha Centro de Referência em Piscicultura Ornamental de Água Doce

Localizado no Campo Experimental da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), em Leopoldina (MG), o centro foi projetado para atender piscicultores de oito municípios produtores da Zona da Mata Mineira (Barão do Monte Alto, Eugenópolis, Miradouro, Muriaé, Patrocínio do Muriaé, Rosário da Limeira, São Francisco do Glória e Vieiras), região que tem se consolidado como polo produtor de peixes ornamentais.

O centro é fruto de uma parceria entre a EPAMIG, Universidade Federal de Ouro Preto e Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e tem como objetivo gerar informações que contribuam para a melhoria do desempenho técnico, ambiental e econômico da atividade em Minas Gerais.

A criação de peixes ornamentais popularizou-se na Zona da Mata Mineira como uma alternativa de renda para famílias de áreas rurais. Anualmente, cerca de 12 milhões de unidades de peixes ornamentais são comercializadas no estado. Estima-se que mais de 100 de espécies são cultivadas em diferentes sistemas de produção, destacando-se as que necessitam de pouca técnica de manejo e que são, geralmente, muito prolíferas, tais como betta, espada, platy, molinésia, tricogaster e colisa.

2109, 2017

EMBRAPA: Serviço orienta criadores cearenses sobre nutrição eficiente de caprinos e ovinos

Criadores cearenses de caprinos e ovinos passaram a contar com um serviço de assessoria com recomendações sobre a alimentação racional de seus rebanhos. O Serviço de Assessoria Nutricional Remota para Pequenos Ruminantes (AssessoNutri), desenvolvido pelo núcleo Caprinos e Ovinos da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), pode reduzir os custos de produção em até 20%, além de agilizar a análise nutricional por meio das fezes dos animais, oferecendo os resultados dos exames e recomendações nutricionais em até três dias úteis. Pelos métodos tradicionais, o tempo de espera pode chegar a 15 dias.

O serviço conta com um laboratório móvel em um caminhão adaptado (foto) que vai até as regiões produtoras, nas quais são feitas análises de fezes dos animais. Os técnicos poderão orientar sobre suplementação alimentar, por exemplo, em caso de necessidade. O AssessoNutri permite monitorar rebanhos e fornecer orientações e indicadores sobre a qualidade da pastagem e dos alimentos disponíveis para os animais.

Foto: Adilson Nóbrega

2109, 2017

Novidade: Molécula aumenta taxa de prenhez e número de crias em bovinos

Pesquisadores da empresa Inprenha Biotecnologia, de Jaboticabal, no interior de São Paulo, em parceria com colegas da Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, descobriram uma molécula capaz de aumentar a taxa de prenhez e diminuir a perda embrionária no início da gestação de bovinos.

A descoberta deu origem a um produto que foi amplamente testado em procedimentos de transferência de embriões produzidos in vivo e in vitro. Os resultados dos testes indicaram que o produto foi capaz de aumentar em 14 pontos percentuais a taxa de prenhez nas receptoras de embriões produzidos in vivo, sete pontos percentuais nas receptoras de embriões produzidos in vitro e 10 pontos percentuais na inseminação artificial.

O produto já foi patenteado pela Inprenha no Brasil e em outros oito países, e está em processo de registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

2109, 2017

Aquicultura: ração é o principal custo de produção da atividade, diz pesquisadora da EMBRAPA

Os elevados custos de produção têm dificultado o trabalho dos aquicultores, especialmente o preço da ração. Com exceção da malococultura (cultivo de ostra), a despesa com o alimento varia entre 70 e 80%. Essa foi a conclusão a que chegou a pesquisadora Andréa Munoz do núcleo Pesca e Aquicultura da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) com base na experiência de três anos de desenvolvimento do Projeto Campo Futuro da Aquicultura, uma parceria da Confederação Nacional da Agricultura com aquele núcleo.

“Em geral, além da ração, outros itens de custo importantes são: gastos administrativos, alevinos (filhotes de peixes), mão de obra, energia e combustível”, diz a pesquisadora em seu estudo, que tratou de custos de produção na aquicultura. Para realização do trabalho foram pesquisados 27 polos de produção de seis espécies de pescado: tilápia, tambaqui, pintado, pirarucu, camarão e ostra, dentre os principais polos das espécies comerciais.

2109, 2017

Exacta desenvolve balança que agiliza pesagem do gado no curral

A Exacta Balanças, localizada em Rancharia, no interior de São Paulo, desenvolveu uma balança para pesagem de gado em curral que pode ser utilizada em rebanho criado a pasto ou em confinamento. Dotada de um programa de computador, ela apresenta outra vantagem: facilita a classificação dos animais (apartação) por faixas de peso ou lotes.

O grande diferencial da balança é a rapidez, pois precisa de apenas dois segundos para realizar a pesagem de cada animal. Isso significa que em um dia, dependendo do tipo de operação a ser realizada, é possível fazer até 1,2 mil pesagens com facilidade e eficiência. “Quanto mais rápido for a pesagem do gado, mais eficiente será o manejo e menos desgaste os animais terão”, diz Rodrigo Aznar, gerente de desenvolvimento da empresa.

3108, 2017

Nova raça bovina mista se destaca como produtora de leite entre os criadores

Trata-se da raça Guzolando, resultado do cruzamento de animais das raças Guzerá e Holandesa, originárias, respectivamente, da Índia e da Holanda. A nova raça é de dupla finalidade: produção de leite e de carne, mas se destaca como produtora de leite. Um bom exemplo é que vaca criada exclusivamente no pasto pode produzir mais de 10 kg por dia e, em confinamento, essa quantidade chega 40 kg (a produtividade média de uma fêmea leiteira no Brasil criadaa pasto é de cinco kg por dia).

Além dessa vantagem, o Guzolando apresenta outros atrativos: menor custo de produção por ser rústico (se adapta a ambientes caracterizados por calor; escassez de água e pastagens nativas); menor intervalo entre partos (já a partir do primeiro ano de vida); valorização dos bezerros e maior resistência a parasitas (vermes. carrapatos, bernes e mosca-do-chifre), que causam grandes prejuízos aos criadores.

Foto: Divulgação

3108, 2017

Korin desenvolve e lança hambúrguer bovino orgânico

Na busca de produtos mais saudáveis, a Korin Agropecuária, fabricante de alimentos naturais, desenvolveu um novo produto: hambúrguer bovino orgânico. Ele foi elaborado com carne de novilhos criados na região do Pantanal (Mato Grosso) em pastagem cultivada sem adubação química.

Além disso, os animais não receberam antibióticos, quimioterápicos e hormônios (como promotores de crescimento) nem ureia na alimentação. No preparo do hambúrguer, fez-se uso apenas de carne bovina (sem tempero e sal).

Foto: divulgação

3108, 2017

Cooperativa testa e adota com sucesso sistema de coleta de leite automatizada

Adotado pela Cooperativa Piá, localizada em Nova Petrópolis, no Rio Grande do Sul, o sistema foi desenvolvido pela empresa alemã Bartec e se destaca por ter relação direta com segurança alimentar, credibilidade, transparência e precisão na coleta de leite O sistema é todo informatizado e envia informações de volume coletado, temperatura do leite, horário de coleta e identificação do produtor.

O equipamento gerencia também a distribuição do leite nos compartimentos do veículo. E, ao final do processo realizado na propriedade, emite um ticket com todas as informações da coleta.

Eleé capaz, ainda, de registrar em relatório o não carregamento de leite quando houver algum imprevisto.

Foto: Divulgação

3108, 2017

MZA lança caixas para transporte de aves vivas com mais conforto e bem-estar aos animais

As caixas foram desenvolvidas pela empresa paulista MZA, especializada em inovações e tecnologia no setor deembalagens plásticas. Elas proporcionam ventilação, segurança e conforto no transporte de aves (frangos de corte e galinhas de postura); possuem áreas para ventilação; guia para rampa de descarregamento e dispositivo com gatilho para evitar quebra dos dentes do sistema de abertura da portinhola.

“Nossas caixas foram projetadas para garantir o bem estar ao animal durante todo o processo de transporte e armazenagem”, diz o diretor comercial da MZA, Cleber Mazza, explicando que elas apresentam ainda outra vantagem: possuem colunas para suportar grandes cargas no empilhamento.

Foto: Divulgação

3108, 2017

EMBRAPA lança página sobre qualidade da carne em seu Portal na Internet

Depois da divulgação da Operação Carne Fraca deflagrada pela Policia Federal para apurar o envolvimento de frigoríficos em um esquema criminoso que subornava fiscais federais para que fosse autorizada a comercialização de produtos impróprios para consumo, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) lançou uma página especial sobre Qualidade da Carne no seu Portal na Internet.

“A nossa intenção, explica Maurício Lopes, presidente da EMBRAPA”, é colaborar para esclarecimento de dúvidas das pessoas, mostrando que do campo à mesa das pessoas existe Ciência apoiando a forma de produzir, processar e distribuir a carne brasileira.

A  página foi estruturada a partir das cadeias produtivas de carne bovina, suína e de aves, reunindo tecnologias, publicações, vídeos e projetos de pesquisa relativosàs diversas fases do sistema de produção: genética, nutrição, boas práticas de criação, sanidade, reprodução, processamento, transporte, abate, rastreabilidade e segurança do alimento.

A página pode ser acessada no endereço:
https://www.embrapa.br/qualidade-da-carne.

Foto: EMBRAPA

3108, 2017

Empresa mineira desenvolve tecnologia que identifica a procedência da carne

Desenvolvida pela empresa Safe Trade, localizada em Itajubá (MG), a tecnologia identifica o histórico da carne bovina (do pasto ao prato), combinando identificação por radiofrequência (RFID), códigos de barras e Qr-Codes. Na embalagem da carne vendidas em grandes redes de supermercadosde Belo Horizonte, há um selo de identificação com código Qr e numérico em que o consumidor consegue ter acesso a informações sobrea origem da carne: o nome do frigorífico e seu número no Serviço de Inspeção Federal (SIF); a data de abate do animal;a validade do produto;o nome do produtor; a fazenda; as certificações que a propriedade possui; a data de vacinação contra febre aftosa e brucelose do rebanho; a localização do frigorífico e da fazenda e até se o boi foi criado em área desmatada.

Além disso, o cliente tem a possibilidade de avaliar o alimento que está comprando por meio de um sistema de notas, que qualifica a carne nos seguintes itens: cor, sabor, maciez e embalagem.

Foto: Daniel Mansur

3108, 2017

Pesquisadores da EMBRAPA desenvolvem modelo de colares para monitoramento animal

Por meio de uma parceria entre instituições públicas e privadas, pesquisadores do núcleo Pantanal (Mato Grosso do Sul) da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) desenvolveram a versão brasileira dos módulos coletores GPS (Sistema de Posicionamento Global) – conhecidos também como colares GPS –, para obtenção de informações sobre a localização de animais silvestres, entre eles cervos, jacarés, veados campeiros e um tipo de porco selvagem conhecido como queixadas.

“O ineditismo do equipamento não está na tecnologia, mas na fabricação brasileira”, diz Marcos Tortato, empresário da Tigrinus Equipamentos para Pesquisa, empresa fabricante do equipamento. E explica: “Um colar para monitorar cervos-do-pantanal, por exemplo, custa em torno de três mil reais se for produzido aqui. Se importássemos um colar com as mesmas especificações técnicas (dos equipamentos produzidos no Brasil), ele não sairia por menos de seis mil reais”.

O projeto que possibilitou o desenvolvimento e a fabricação dos colares GPS brasileiros é coordenado pela EMBRAPA Pantanal com patrocínio da Companhia Elétrica de São Paulo (CESP), a parceria da empresa Tigrinus e gerenciamento de recursos pela Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia de MS(FUNDECT).

Na foto (de Walfrido Tomas): um tipo de porco selvagem conhecido como queixadas.

708, 2017

Bovinos: Brasil é primeiro país a desenvolver técnica de produção de embriões sem uso de laboratório

A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), através do núcleo Recursos Genéticos e Biotecnologia, desenvolveu uma tecnologia denominada TIFOI (transferência intrafolicular de ovócitos imaturos), a qual apresenta todas as vantagens da fecundação in vitro (FIV) com um benefício adicional: o fato de não precisar de laboratório para ser realizada. Os criadores podem obter os embriões com a mesma rapidez e agilidade da FIV, ou seja, em torno de um bezerro por semana com uma única vaca doadora, sem precisar sair da sua propriedade.

O Brasil é o primeiro país a obter êxito realizando a TIFOI de maneira completa. Há apenas um relato de sucesso no uso da técnica na Alemanha. No entanto, o experimento europeu utilizou laboratório no decorrer do processo, o que torna o resultado incompleto. O desenvolvimento da TIFOI brasileira obteve nascimento de três bezerros na Fazenda Sucupira, campo experimental da EMBRAPA, localizado em Brasília. O sucesso gerou o registro da marca junto ao Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI).

A FIV é hoje a biotécnica mais utilizada no melhoramento genético animal no Brasil, pela capacidade de aumentar o número de descendentes de uma vaca em menos tempo. Com o emprego das biotécnicas reprodutivas de maior impacto utilizadas hoje na pecuária, pode-se estimar que a inseminação artificial (IA) permite a obtenção de um bezerro por ano; a transferência clássica de embriões (TE), um por mês; enquanto a FIV é capaz de produzir um bezerro por semana.

Na foto (de Claudio Bezerra) os bezerros obtidos pela EMBRAPA com a nova técnica; o bezerro de cor clara nasceu da mesma ovuladora.

708, 2017

New Holland desenvolve trator movido a gás gerado com esterco de animais

Essa conquista da New Holland, fabricante de máquinas e equipamentos para vários setores da economia, entre eles o agropecuário, é considerada pela empresa inédita no mundo. Denominado T6. 140 Methane Power, o veículo reduz em até 80% as emissões de gases poluentes e em 40% o gasto com combustível comparado a um trator movido a óleo diesel.

Esse trator (impulsionado a gás biometano), segundo o diretor de marketing da New Holland na América Latina, Carlos d’Arce, é uma contribuição da empresa visando desenvolver um mercado de energia renovável no Brasil.

O veículo (foto) já foi apresentado nas principais exposições agropecuárias do país, entre elas a Exposição Internacional de Animais, Máquinas, Implementos e Produtos Agropecuários, no Rio Grande do Sul.

708, 2017

Unicamp desenvolve ração para controle de doenças na aquicultura

Desenvolvida por pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), em Campinas (SP), a ração tem por objetivo principal o controle de doenças na aquicultura. Além de componentes nutricionais, ela tem como substâncias ativas antibióticos, antiparasitários e imunoestimulantes e pode ser empregada em diferentes espécies aquáticas, destacando-se peixes, camarões, lagostas e rãs.

As doenças infecciosas são consideradas, segundo os pesquisadores, um problema sério na piscicultura, apresentando potencial risco à produção. Essas infecções quando não controladas apresentam consequências graves, como lesões que inviabilizam a comercialização e elevada mortalidade, causando grandes prejuízos aos produtores.

708, 2017

Pesquisa mostra que 70% das abelhas existentes em São Paulo têm resíduos de agrotóxicos

A conclusão consta de estudo realizado pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Defesa Vegetal (SINDIVEG) em parceria com a Universidade Estadual Paulista e a Universidade Federal de São Carlos (ambas de São Paulo). Ficou comprovado no estudo que 70,8% das abelhas usadas na amostragem apresentam resíduos de agrotóxicos, principalmente das substâncias pirazol (64,7% dos casos), neonicotinoides (29,4% das ocorrências) e a combinação de pirazol + triazol (5,9%).

Segundo o SINDIVEG, o resultado indica que a relação da mortalidade de abelhas com a aplicação de agrotóxicos está relacionada com o uso incorreto em 100% dos casos analisados. Entre as más práticas estão dosagens acima das recomendações indicadas em rótulo e bula, falta do cumprimento das exigências legais para a aplicação dos produtos químicos, emprego incorreto da modalidade de aplicação sem a autorização ou registro de produtos para cultura agrícola e até outros usos de produtos sem relação direta com a atividade agrícola.

Para a análise, os pesquisadores coletaram abelhas da espécie Apis mellifera (a mais comum no Brasil).

708, 2017

Equinos: estudo mostra que análise genética auxilia na identificação da pelagem equina

O estudo foi realizado pela professora e pesquisadora Adalgiza Carneiro da Universidade Federal de Minas Gerais e teve por base uma teoria desenvolvida nos Estados Unidos, a qual classifica os genes dos animais e determina o efeito de cada um sobre a pelagem.

De acordo com Adalgiza, os genes dos cavalos determinam que apenas duas cores de pigmentos sejam produzidas pelos animais: preto ou vermelho. Todas as cores de pelagem, portanto, são definidas a partir da interação entre esses genes. “É preciso identificar a cor do pigmento que o animal está produzindo”, afirma.

Essa informação, segundo Adalgiza, deverá fazer parte da descrição da resenha, que é um documento usado para identifiar o animal. É onde o veterinário descreve informações como o nome, a idade, sexo e as particularidades da pelagem (como a cor, por exemplo).

708, 2017

Unesp: uso de farelo de acerola na ração de suínos reduz teor de gordura da carne dos animais

Essa foi a conclusão a que chegou o zootecnista Fabrício Rogério Castelini em sua tese de doutorado defendida na Universidade Estadual Paulista (UNESP), em São Paulo, e que teve por base a inclusão daquele farelo na ração dos suínos (o farelo foi preparado com resíduos da fabricação de suco de acerola, tais como casca, sementes e restos de polpa).

Os animais que receberam o farelo apresentaram reduções nos teores dos ácidos graxos saturados. Esses ácidos estão relacionados com o desenvolvimento de mudanças degenerativas nas paredes das artérias, e seu consumo demasiado pode provocar doenças cardiovasculares.

Outro ponto revelado no estudo foi o aumento nos teores dos ácidos graxos popularmente conhecidos como ômega três e seis. “Isso é muito importante, pois a ingestão do ômega três auxilia na diminuição dos níveis de triglicerídeos e colesterol ruim, enquanto pode favorecer o aumento do colesterol bom”, diz Castelini.

O farelo adicionado à ração foi feito com resíduos da fabricação de suco de acerola (casca, sementes e restos de polpa).

708, 2017

Pesquisadora baiana desenvolve sorvete com microrganismos vivos (benéficos à saúde)

A engenheira de alimentos Priscila Pereira dos Santos, em sua tese de mestrado defendida na Universidade Federal da Bahia (UFBA), criou um sorvete elaborado com leite de vaca fermentado e dotado de microrganismos vivos benéficos à saúde, contribuindo para melhorar o funcionamento do intestino e evitar a ocorrência de doenças cardíacas, diabetes e obesidade.

O sorvete (de sabor chocolate), se armazenado em temperatura adequada (18 graus abaixo de zero), pode ser utilizado por um ano, ou seja, possui prazo de validade de um ano com os microrganismos vivos. Com o trabalho, Priscila obteve o título de Mestre na UFBA.

Load More Posts