Ciência e Tecnologia

Por Adeildo Lopes Cavalcante

Ciência e Tecnologia 2017-09-21T08:51:09+00:00
2702, 2018

EMBRAPA cria detector de prenhez para bovinos e equinos

Criado pelo núcleo Instrumentação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), o detector é portátil e usa a técnica de ultrassom.

Ele tem como função básica escutar, por meio do sistema de ondas ultrassônicas, o pulso embrionário do feto, permitindo diagnosticar a prenhez em éguas com gestação de 20 dias e em vacas, com aproximadamente 30 dias.

O diagnóstico de prenhez influi no manejo do rebanho, pois as fêmeas prenhas são normalmente colocadas em pastos de melhor qualidade com o objetivo de aprimorar a produção. Com esse instrumento é possível detectar a prenhez em bovinos e equinos com praticamente 100% de acerto. O método tradicional, chamado de toque retal, requer que o perito faça a apalpação nos cornos uterinos e pode resultar no chamado “falso positivo”, quando o feto está morto, podendo levar também à morte da fêmea prenha.

2702, 2018

ITAL desenvolve leite pasteurizado com prazo de validade 10 vezes maior

A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto de Tecnologia dos Alimentos (ITAL), desenvolveu uma técnica de pasteurização de leite com validade de 50 dias, 10 vezes mais que o convencional. Contando com o apoio da Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), o ITAL utilizou três tecnologias para conseguir o resultado de conservação, que garante as características nutricionais do leite.

O processo é realizado com uma máquina que faz a microfiltração do leite e, de acordo com a pesquisadora da Secretaria, que atua no Centro de Tecnologia de Laticínios (TECNOLAT) do ITAL, Patrícia Blumer Zacarchenco, atualmente, nenhuma empresa brasileira de laticínio utiliza o sistema para obter o produto com validade estendida. Ele é capaz de processar 150 litros de leite por hora. A máquina usada no estudo pertence ao ITAL e é produzida na França.

2702, 2018

Novidade: palma forrageira viabiliza criação de gado no norte de Minas Gerais

Para enfrentar as estiagens prolongadas que castigam o norte de Minas Gerais, criadores de gado daquela região passaram a usar, por recomendação da EPAMIG, empresa de pesquisa do estado, palma forrageira como fonte de alimento e água para os animais (a palma é constituída de 90% de água).

Segundo a EPAMIG, apesar de oferecer muita água aos animais, a palma tem baixo teor de proteína e, por isso, não deve ser usada como única fonte de alimento para o gado, e sim como complementação da dieta. “A palma pode participar em até 50% da dieta dos animais, combinada com outros alimentos, como silagem de milho (alimento preparado e conservado em silo)”, recomenda.

2702, 2018

Pará tem o primeiro búfalo gerado pela técnica “in vitro” na região Norte

A Universidade Federal do Pará e a Universidade Federal Rural da Amazônia anunciaram o nascimento do primeiro búfalo gerado pela técnica de fertilização “in vitro” na região Norte. A conquista é fruto de uma parceria entre aquelas instituições e uma empresa proprietária da fazenda onde foi realizado o experimento que possibilitou a reprodução do animal.

A biotécnica tem o objetivo de promover o melhoramento genético do rebanho. Ela utiliza sêmen de reprodutores selecionados para fertilizar ovócitos de matrizes com grande potencial genético de produção. Tanto a fêmea quanto o macho apresentam grande produção de leite ou carne, e seus embriões são transferidos para vacas que atuam apenas como “barriga de aluguel”.

De acordo com o coordenador do projeto, professor Otávio Ohashi, “essa técnica permite acelerar a produção de animais em menor tempo, com melhora significativa no padrão genético, gerando, consequentemente, aumento da produção”.

2702, 2018

Ouro Fino desenvolve e lança anti-inflamatório inédito para gado leiteiro

Trata-se, segundo a empresa, que atua no segmento de sanidade animal, do único anti-inflamatório brasileiro à base de meloxicam. “Processos inflamatórios causam desconforto aos animais, refletindo diretamente na capacidade produtiva”, diz Gustavo Paranhos, gerente de produtos para gado de leite na empresa, esclarecendo que o produto apresenta ação analgésica e anti-inflamatória prolongada (24 horas), além de uma proteção adicional para as cartilagens das articulações.

O Maxicam 2% é injetável e não causa efeitos colaterais, pois atua apenas nos pontos de inflamação, e pode ser utilizado em tratamentos de médio e longo prazo.

Foto: Ouro Fino

3101, 2018

Berganês: nova raça de ovinos desenvolvida e criada por agricultores de Pernambuco

Um grupo de agricultores da região de Dormentes, no interior de Pernambuco, com dificuldades nas plantações de milho, feijão, mamona e algodão devido às secassucessivas que não permitiam produção satisfatória desses cultivos, perceberam a necessidade de ter um complemento de renda para o sustento da família e resolveram desenvolver e criar a raça Berganês.

A nova raça é fruto do cruzamento das raças Bergamácia e Santa Inês, oriundas, respectivamente,da Itália e do Brasil. A Berganês não possui lã, é de pelagem escura, destina-se à produção de carne e adapta-se bem à região de Dormentes.

Os animais da nova raça apresentam, em média, 4,5 kg de peso ao nascer e podem alcançar até 12 kg no primeiro mês de vida.Por serem precoces,podem atender à demanda de marcado, que, na região de Dormentes,é de um animal com 6-8 meses, pesando 14 kg de peso-carcaça (carne, gordura e ossos).

3101, 2018

Instituto de Zootecnia-SP: gordura da carne de cordeiro não faz mal à saúde e é fonte de nutrientes

A conclusão édepesquisa do Instituto de Zootecnia (IZ) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo sobre o perfil dos ácidos graxos que compõem a gordura da carne de cordeiros superprecoces de raças deslanadas (sem lã) brasileirasSanta Inês e Morada Nova.

O estudo foi realizado no IZ com animais abatidos com idade entre 100 e 130 dias, conhecidos como superprecoces, que apresentam uma carne magra com gordura de boa qualidade nutricional.

De acordo com os pesquisadores do IZ, o teor de gordura na carne e a composição do perfil de ácidos graxos são benéficos para os consumidores, tanto pelo baixo teor de gordura, como pelo perfil favorável dos ácidos graxos, importantes para prevenir problemas de saúde.

“O estudo colabora para desmitificar o receio da ingestão de carnes, que poderia estar relacionado a possíveis problemas cardiovasculares, como aumento do mau colesterol (LDL)”, explicam os pesquisadores.

3101, 2018

ITAL desenvolve requeijão enriquecido com farinha da casca do maracujá

O pãozinho com requeijão, no café da manhã, poderá ser mais saudável, graças à tecnologia inédita desenvolvida pelo Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do estado de São Paulo, que produziu um requeijão com 50% menos gordura e baixo teor de lactose (açúcar presente no leite). O produto é enriquecido com farinha da casca do maracujá, o que o torna rico em fibras, melhorando o funcionamento intestinal e proporcionando maior saciedade aos consumidores.

O ITAL integra a Rede Passitec, coordenada pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA), que tem o objetivo de desenvolver produtos com a farinha da casca de maracujá, proporcionando maior geração de renda aos agricultores da região do Cerrado brasileiro.

3101, 2018

EMBRAPA: Moringa e mandioca substituem milho e soja na alimentação de galinhas

O uso de milho e de farelo de soja na ração de galinhas, comum em outras partes do Brasil, é mais difícil na região do Pantanal no Mato Grosso do Sul. Na área pantaneira, fatores como logística de transporte, custos de importação, chuvas irregulares e ataque de predadores nas lavouras, como periquitos e outros pássaros, inviabilizam o uso daqueles ingredientes.

Por isso, pesquisadores do núcleo Pantanal da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) desenvolveram uma ração feita de moringa e mandioca, que pode substituir cerca de 50% do milho e do farelo de soja da alimentação tradicional, oferecendo bons resultados de engorda a custos menores para pequenos produtores.

A mandioca écultivada em abundância no Pantanal; já a moringa, tem múltiplos usos na região, podendo ser usada como componente de rações e de pasto para animais, como galinhas.

3101, 2018

Bovinos: método simples de avaliação corporal ajuda a aumentar a taxa de prenhez em 17%

Pesquisas realizadas pelo núcleo Rondônia da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) demonstraram que animais com condição nutricional adequada avaliados com a tecnologia Vetscore chegam a obter uma taxa de prenhez 17% maior quando comparada com a taxa média nacional por inseminação artificial por tempo fixo (IATF) que está em 51%. A obtida em vacas selecionadas pelo dispositivo é de 61%.

Lançado pela EMBRAPA, o Vetscore é um instrumento simples formado por duas réguas articuladas que, ao serem posicionadas sobre a garupa do animal, indicam sua condição corporal. Isso permite identificar com mais precisão animais que necessitam de suplementação (reforço alimentar). Como resultado, aqueles em condições corporais inferiores são manejados adequadamente, aumentandoprodução de leite e taxas de penhez.

Foto: Rafael Rocha

2812, 2017

UFMG desenvolve bebida láctea para combater subnutrição infantil no norte de Minas Gerais 

Com o objetivo de reverter os quadros de anemia e baixo peso de crianças em Montes Claros, no norte de Minas Gerais, uma das regiões mais pobres daquele estado, um grupo de estudantes do Curso de Pós-graduação em Engenharia de Alimentos da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) desenvolveu uma bebida láctea fermentada de baixo custo, que foi distribuída nas casas de família com meninos e meninas diagnosticados com subnutrição.

O alimento, composto de soro, leite, ferro e polpas de frutas da região do Cerrado, como cajá, coquinho azedo, mangaba, tamarindo, umbu e cagaita foi ingerida diariamente durante dois meses por crianças de 11 famílias. O estado de nutrição dessas crianças foi acompanhado durante todo o período. O resultado foi um ganho de peso e de saúde para todos os participantes.

A pesquisa foi financiada pelo Ministério da Saúde e teve como foco inicial o desenvolvimento físico e cognitivo de meninos e meninas que vivem na área urbana de Montes Claros.

Fotos (UFMG): menino alimentando-se com o produto (a bebida foi acondicionada em garrafas plásticas).

2812, 2017

Contaminação da alimentação do gado por micotoxinas prejudica desempenho produtivo dos animais

Análises da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA) do estado de São Paulo apontaram contaminação por micotoxinas na alimentação de rebanhos bovinos criados em confinamento nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Goiás e São Paulo. Embora 66% das amostras verificadas tenham apresentado níveis baixos de contaminação, a pesquisa mostrou que os animais tiveram dificuldades no ganho de peso e perdas de até 140 gramas na carcaça por dia devido ao problema identificado.

O estudo avaliou mais de 90 bois da raça Nelore que tinham cerca de dois anos e não apresentavam qualquer sintoma clínico evidente ocasionado por uma dieta com ingredientes contaminados por micotoxinas. Segundo o professor e pesquisador da APTA, Gustavo Siqueira, não é possível mais ignorar esse risco na produção. “Nós tínhamos um conceito de que os animais de confinamento eram muito resistentes a essas substâncias e o estudo mostrou uma redução no desempenho muito acima da expectativa, considerando nível da contaminação. As micotoxinas são ladrões ocultos do negócio e o produtor precisa estar atento a essa nova realidade”, alerta.

2812, 2017

Pesquisadores desenvolvem manta de contenção para tratamento de umbigo de bezerro

A manta, desenvolvida por pesquisadores da Universidade Federal de Mato Grosso, foi feita com couro e tem quatro buracos para as patas do bezerro e um quinto, para encaixar o umbigo, permitindo que se faça a cura (tratamento) daquela parte do animal ainda nos seus primeiros dias de vida.

O uso da manta, segundo os pesquisadores, contribui para evitar a morte de bezerros devido a falta de tratamento adequado do umbigo dos animais.

Foto: Marina Salles

2812, 2017

Sombra no sistema pecuária-floresta não aumenta incidência de verminoses em gado de corte

A incidência de verminoses em gado de corte em sistema silvipastoril (pecuária-floresta) não é maior do que na pecuária exclusiva. A conclusão é de uma pesquisa que acaba de ser encerrada no núcleo  Embrapa Agrossilvipastoril da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA). A informação contraria a hipótese inicial de que as condições microclimáticas no sistema silvipastoril poderiam favorecer a ocorrência de vermes.

Esse resultado, segundo o núcleo, mostra que, nos sistemas de pecuária integrada com árvores, o controle de verminoses não precisa ser diferente em relação à pecuária tradicional. O número de dosagens de vermífugos deve ser o mesmo em ambos os sistemas de produção.

2812, 2017

Cipatex desenvolve geomembranas (mantas) para impermeabilização de tanques de criação de peixes e camarões

A aquicultura é uma das atividades do agronegócio que mais crescem no pais e para atender as necessidades dos produtores a Cipatex, fabricante de revestimentos sintéticos, desenvolveu uma linha de geomembranas (mantas) de PVC para impermeabilização de tanques escavados e estruturados destinados à produção e cultivo de peixes e camarões em água doce ou salgada.

“Para tanques ou viveiros escavados, indicados para criação em cativeiro em larga escala de camarões e peixes, a empresa fornece geomembranas com grande resistência ao envelhecimento e às intempéries”, explica Aureovaldo Casari, gerente de agroindústria e mineração da Cipatex, esclarecendo que as geomembranas podem ser confeccionadas sob medida, garantindo praticidade ao produtor, com instalação rápida e segura.

Já para tanques estruturados/circulares, formados por armações metálicas, a empresa desenvolveu geomembrana reforçada com uma tela de alta resistência à ruptura. Esses tanques integram um sistema que atende, principalmente, a produção comercial de peixes em áreas reduzidas, nas quais é possível a criação com grande adensamento.

2311, 2017

Brasil conta com nova raça bovina de corte: Ultrablack (procedente da Austrália)

Originária da Austrália a raça Ultrablack é de corte e foi introduzida no Brasil pela Associação Brasileira de Angus (ABA) com autorização do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A raça é uma mistura de 80% de sangue da raça Angus (escocesa) e 20% de sangue de zebu (gado oriundo da Índia).

Por ser resistente ao calor e a parasitas (como o carrapato), a ABA, segundo sua diretoria, tomou uma decisão: disseminar a criação da Ultrablack na região Centro-Oeste (tradicional produtora de gado), pois ela caracteriza-se pelo clima quente e apresenta um número elevado de registros de incidência de parasitos nos rebanhos.

A disseminação da nova raça no Centro-Oeste tem por fim ampliar a produção de animais Angus. A razão é que está havendo uma grande escassez de animais para abate, prejudicando o fornecimento de carne da marca Angus ao mercado.

Para se obter um legítimo Ultrablack em condições de registro na ABA é preciso adotar os critérios definidos pela entidade e usar reprodutores para acasalamento que tenham registro definitivo. O regulamento e todos os formulários para registro da raça estão no site da ABA (www.angus.org.br).

2311, 2017

Pesquisa da EMBRAPA identifica resistência da mosca-dos-estábulos a inseticida

Pesquisadores do núcleo Gado de Corte da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) detectaram a ocorrência de resistência da mosca-dos-estábulos à cipermetrina, inseticida do grupo dos piretróides. A resistência foi detectada em experimentos realizados em criações de gado de cinco municípios de Mato Grosso do Sul.

Os pesquisadores advertem que produtos comerciais à base de cipermetrina têm demonstrado eficácia reduzida em surtos do inseto. Diante dessa descoberta, eles recomendam evitar o uso de produtos inseticidas do grupo dos piretroides no combate à mosca, pois sua eficácia está comprometida.

A mosca é hematófoga e, embora parasite outros animais de criação, os bovinos são os mais afetados, com perdas de 10% a 30% no ganho de peso e até 50% de redução na produção leiteira.

Foto: a pulverização de inseticida nos animais (foto) é uma das formas usadas para controle do inseto.

2311, 2017

Novidade: Alta Genética desenvolve e lança colostro bovino em pó

O colostro, primeiro leite produzido pela vaca após o parto e fornecido ao bezerro nos primeiros dias de vida (garantido sua sobrevivência), agora pode ser encontrado no mercado na forma de produto em pó. Inédito no Brasil, o produto foi desenvolvido pela Alta Genética, empresa que opera no ramo de melhoramento genético de bovinos.

“O colostro em pó é exatamente o produto natural feito pela mãe natureza, apenas transformado em pó”, diz o diretor da Alta Genética, Heverardo Carvalho.

O produto, segundo a empresa, é dotado de todos os requisitos indispensáveis à saúde dos bezerros recém-nascidos e a um melhor desenvolvimento e produtividade ao longo da vida e apresenta as seguintes vantagens, entre outras: baixa incidência de doenças; baixa taxa de mortalidade do recém-nascido; favorece maior ganho de peso do animal jovem; e reduz o tempo ao primeiro parto, o que significa maior produção de leite no futuro.

Foto: ASBIA

2311, 2017

Universidade de Viçosa lança nova edição das Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos

Elaboradas pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), em Minas Gerais, as tabelas são, segundo aquela instituição, referência no Brasil e em todo o mundo (principalmente na América Latina), na formulação de rações para aves e suínos. A nova edição das tabelas contém: (1) a composição detalhada de mais de 100 ingredientes e as exigências nutricionais para a formulação das dietas dos animais e (2) uma prescrição precisa de dietas, gerando economia com a ração animal.

“As tabelas permitem a combinação adequada dos ingredientes para compor dietas balanceadas para cada fase de produção, visando atender às exigências nutricionais específicas de aves e suínos”, diz o professor Horácio Santiago Rostagno, chefe da equipe responsável pelos estudos que resultaram nas tabelas.

Segundo ele, as tabelas “são feitas a partir de muito conhecimento acumulado em nutrição animal e este processo depende de resultados de pesquisas; por isso, a atualização acontece a cada cinco ou dez anos”.

A nova edição das Tabelas Brasileiras para Aves e Suínos foi lançada durante o IV Simpósio Internacional sobre Exigências Nutricionais para Aves e Suínos, realizado, no campus da Universidade Federal de Viçosa, nos dias 29 e 30 de março de 2007.

Fotos: Daniel Sotto Maior

2311, 2017

Embrapa desenvolve nova variedade de capim-elefante com produtividade 30% maior

Desenvolvida pelo núcleo Gado de Leite da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a variedade (BRS Capiaçu), produz aproximadamente 50 toneladas de matéria seca (sem umidade) por hectare-ano, média de 30% a mais do que as outras variedades de capins-elefante.  O novo capim, cujo porte ultrapassa cinco metros de altura, apresenta touceiras densas e colmos eretos, o que facilita a colheita mecânica (ver foto, de Rubens Neiva); folhas longas, largas e de cor verde.

Adaptada às regiões de criação de gado do país, a Capiaçu, pode, no período da seca (quando há escassez de pasto para o gado), ser fornecida aos animais picada verde ou como silagem (capim conservado em silo para posterior fornecimento ao gado). A vantagem de se fazer uso do capim verde, de acordo com a Embrapa, é que, assim, apresenta maior valor nutritivo: cortado aos cinquenta dias, chega a ter 10% de teor de proteína; o teor cai para 6,5%, com o corte aos 90 dias e 5,5%, cortado aos 110 dias.

O novo capim, segundo a empresa, oferece outra vantagem importante: é uma alternativa para a produção de silagem de baixo custo. “O que se gasta com a produção de silagem de BRS Capiaçu é três vezes menos em comparação à silagem de milho ou de sorgo”, diz a Embrapa, acrescentando: “o valor nutritivo é comparável à silagem das forrageiras tradicionais e superior ao da cana-de-açúcar”.

Load More Posts